Will's Ratings #4- NJPW The New Beginning in Sapporo

Fala galera, aqui é o Will e hoje irei trazer meus ratings e opiniões sobre o The New Beginning in Sapporo, evento da New Japan Pro Wrestling, realizado no dia 05 de fevereiro de 2017.


Tag Team Match: Yoshinobu Kanemaru & El Desperado venceram KUSHIDA & Hirai Kawato
- Nada mais que o esperado. Se baseou em Kanemaru e Desperado dominando o Young Lion até a entrada do KUSHIDA para começar um pouco da ação. Todos foram bem e tiveram boas interações, apesar da atuação do Kanemaru ter sido apagada.

Rating: **

Six Man Tag Team Match: Yuji Nagata, Hiroyoshi Tenzan & Satoshi Kojima venceram Yoshitatsu, Yomoyuki Oka & Henare 
- As lendas de um lado dando uma lição aos ‘’novatos’’. Nada especial, com poucas interações legais.

Rating: * 3/4

Six Man Tag Team Match: Will Ospreay, Gedo & Jado venceram Katsuyori Shibata, Jushin Liger & Tiger Mask IV
-  A luta de manteve morna até a entrada do Tiger Mask, que colocou um pace interessante, porém, não houve nada muito interessante que mereça ser ressaltado, apenas a continuidade da feud entre Shibata e Ospreay.

Rating: * 3/4

Singles Match: YOSHI-HASHI venceu Takashi Iizuka
- Ruim, apesar da atuação do YOSHI-HASHI ter sido boa. Esse personagem do Iizuka beira o ridículo, pois não consegue ser interessante em nenhum aspecto.

No fim, todas as coisas boas foram feitas pelo YOSHI, tornando isso ‘’assistível’’.

Rating: *

Ten Man Tag Team Match: Dragon Lee, Hiroshi Tanahashi, Manabu Nakanishi, Michael Elgin & Ryusuke Taguchi venceram Tetsuya Naito, EVIL, BUSHI, SANADA & Hiromu Takahashi
- Boa match. Todos os envolvidos foram bem e fizeram o que podiam dentro do possível.  Destaque para como Elgin foi bem, limpando o ringue muitas vezes com seus power-moves sem parecer forçado e o fazendo parecer forte ao mesmo tempo.  Dragon Lee e Takahashi mais uma vez mostraram uma química enorme e a pequena interação que ambos tiveram acabou por mostrar isso, sendo a melhor sequência da match inteira.

Enfim, boa match, com alguns spots, com um bom pace e que cumpriu seu papel no card, que é desenvolver as feuds envolvidas.

Rating: ***

IWGP Junior Heavyweight Tag Team Title Match:  Roppongi Vice (Trent Baretta & Rocky Romero) (c) venceram Taichi & TAKA Michinoku
- Uma boa match, que acabou por sofrer pelo booking.
As interferências foram excessivas e desnecessárias ao meu ver, interferindo muito na qualidade na match. Rocky e Trent foram excelentes em tudo e os melhores momentos foram justamente quando ambos dominaram e tiveram seu tempo dentro do ringue. TAKA e Taichi foram apagados e fizeram uma atuação bem ruim, o que ajudou a decair mais a qualidade, visto que as interferências já foram excessivas e não ajudaram em nada.

Rating: ** 1/2

NEVER Openweight Title Match: Hirooki Goto (c) venceu Juice Robinson
- Essa acabou por me surpreender, e muito positivamente.
Ambos contaram uma história interessante, onde o ‘’novato’’ Robinson estava todo afobado e desesperado para conseguir a vitória, enquanto o experiente Goto apenas esperava por um erro para se aproveitar da tal afobação e conseguir a vitória. Juice partindo para cima e sendo dominante por boa parte da match foi muito bom e que se enquadrou muito bem na história, apresentando bons moves e uma ofensiva um tanto quanto crível, além do bom selling das duas partes.

Uma boa match, que acabou por marcar todo potencial que existe em Juice, alem, claro, da melhor atuação em toda sua promissora carreira.

Rating: *** 1/2

IWGP Heavyweight Tag Team Title- Three Way Match: Tomohiro Ishii & Toru Yano (c) venceram Togi Makabe & Tomoaki Honma & The Killer Elite Squad (Davey Boy Smith Jr & Lance Archer)
- No geral, não houve nada especial dentro do ringue, foram apenas alguns moves aleatórios e em tag, mas no quesito personagem, todas as tags foram excelentes. Foi interessante como conseguiram usar a comicidade como o fator principal, deixando a ação dentro do ringue, que seria o principal, de lado e tornando a luta muito divertida e engraçada de se assistir.

Rating: ** 3/4

IWGP Heavyweight Title Match: Kazuchika Okada (c) venceu Minoru Suzuki
- Absolutamente incrível, e com toda certeza a melhor match da série Okada/Suzuki.

A match começou com Okada tentando fugir a todo custo, impedindo que Suzuki conseguisse alcançar seu joelho danificado em todos os confrontos anteriores pelo mesmo, mas isso praticamente se tornou inevitável até certo ponto. O trabalho feito por Suzuki foi impecável, massacrando o joelho de Okada com inúmeras variações, fazendo o work parecer brutal. O selling de Okada também foi excelente, com todas as expressões faciais de dor, gritos, gesticulações, diminuindo a velocidade na hora de correr e aplicar certos moves, caindo logo após aplicar seu finisher, e com tudo isso mixado, em inúmeras vezes realmente me fez pensar que ele desistiria. A intensidade não foi perdida, além do fato que ambos não perderam ou deixaram a crowd entediada em nenhum momento, o que foi um fator crucial, pela match ter sido lenta e ter durado 40 minutos. A série de strikes no final foi excelente, acrescentando o hard-hitting, que é um fator indispensável para uma luta como essas.

Toda a história foi contada com clareza e perfeição, onde Suzuki faria de tudo, massacrando e maltratando Okada de todas as formas possíveis para conseguir a vitória, e Okada teria que se sobressair sobre a dor e sofrimento para provar que é mais ‘’homem’’ que Suzuki, o que explicou a ‘’falta’’ de selling no final, onde Okada percebeu que teria que ignorar e não demonstrar a dor para vencer. Ambos foram impecáveis em seus respectivos papéis como heel e babyface, o que contribuiu ainda mais para a qualidade e desenvolvimento da história.

Como toda match excelente, ela também teve seus pontos negativos, foram pequenos deslizes, mas que foram bem perceptíveis e que me incomodaram um pouco. As interferências mais uma vez foram desnecessárias, principalmente por se tratar de uma luta pelo título máximo, assim como a ideia de um dos moves cruciais para o final ser um Bridging German Suplex, visto que, depois de tudo que foi feito, Okada não teria força suficiente no joelho para se equilibrar, o que pareceu meio forçado. 

Enfim, Okada e Suzuki deram uma aula no quesito psicologia, enquadrando cada aspecto da história nas ações e interações, com um tom de drama e emoção do começo ao fim. E mais uma vez, a New Japan apresenta uma luta com o nível digno de Main Event.  


Rating: **** 3/4

__________________________________________________________________________________________________________________________________________
Caso tenha assistido o show, deixe sua opinião e análise nos comentários, é sempre bom contar com outras análises e pontos de vista. Até a próxima!
Tem alguma dica de notícia ou correção? Envie-nos clicando aqui!