Revisando o NJPW Dominion 6.11 in Osaka-jo Hall

História feita mais uma vez?

Fala, galera. Aqui é o Will, e irei trazer alguns ratings e opiniões sobre o Dominion, evento realizado pela New Japan Pro-Wrestling no último dia 11. Caso tenha sua análise, deixe-a nos comentários.



Eight Man Tag Team Match: Togi Makabe, Yuji Nagata, Tiger Mask W & Tiger Mask IV vs. TenCozy (Hiroyoshi Tenzan & Satoshi Kojima), Manabu Nakanishi & Jushin "Thunder" Liger


Foi uma match ''ok'', nada horrível, mas também nada excelente. A tradicional fórmula de tag match da New Japan para abrir o show: Todo mundo recebendo um tempo curto para fazer sua ação no ringue e o weak-link recendo o pinfall, que no caso foi o Nakanishi. Uma coisa que vale ressaltar aqui é como Tenzan está dificuldades para se movimentar, o que abre uma possibilidade cada vez menor de vermos uma das lendas em ação.

Rating: **¼


NEVER Openweight Six-Man Tag Team Championship Match: Los Ingobernables de Japón (SANADA, EVIL & BUSHI) (c) vs. Taguchi Japan (Ryusuke Taguchi, Juice Robinson & Ricochet) vs. CHAOS (Tomohiro Ishii, Toru Yano & YOSHI-HASHI) vs. BULLET CLUB (Yujiro Takahashi, Hangman Page & Bad Luck Fale) vs. Suzuki-gun (Zack Sabre Jr., Yoshinobu Kanemaru & Taichi)



O que era de se esperar. Foi uma match bem divertida, com um pouco de comedy e um tag wrestling visivelmente bem fraco, onde os melhores momentos foram justamente os finais com as duas equipes que em um geral são mais qualificadas e melhores. Apesar do tag wrestling fraco, cada participante conseguiu se destacar individualmente, fazendo algo bem legal em um sendo geral. Além, claro, da decisão corretíssima em manter os títulos com BUSHI, EVIL e SANADA.

Rating: ***

IWGP Junior Heavyweight Tag Team Championship: Roppongi Vice (Rocky Romero & Baretta) vs. The Young Bucks (Matt & Nick Jackson).

Essa match foi bem melhor do que eu esperava, honestamente. Desde que perderam no Dome para a RPG Vice, os Bucks ficaram afastados e voltaram com uma tremenda performance.

A match teve um storytelling bem nítido, onde os Bucks entraram mais sérios e aparentemente mais centrados que o comum, onde os seus comedy spots foram praticamente inexistentes. Foi interessante como eles conseguiram trabalhar em dupla, retirando as chances da RPG Vice conseguir ganhar momento dentro da match e sempre conseguindo anular a tag da outra equipe. O plano foi exibido desde o começo, onde os Bucks trabalhavam sobre a lombar de Romero e o impediam de voltar para a match ajudar Baretta, que se viu sozinho em inúmeros momentos e claramente perdia em número. Eles trabalharam em um bom pace e onde cada move e momento influenciava diretamente, praticamente não havendo momentos fillers. No final, foi legal como eles apelaram justamente para o realismo e o que eles trabalharam a luta inteira, onde o Romero deu tap-out para o Sharpshooter devido a sua lombar que trabalhada a luta toda. 

Foi uma das melhores tag matches da New Japan que vi em um bom tempo, com uma psicologia e um tag team wrestling excelente. Com certeza surpreendeu como uma das melhores matches do card.

Rating: ****

IWGP Heavyweight Tag Team Championship: War Machine (Hanson & Ray Rowe) (c) vs. Guerrillas of Destiny (Tama Tonga & Tanga Loa)

Essa match estava indo bem, muito acima do que eu imaginava, aliás. Mas...

Confesso que sempre fui um critico dos Guerrillas of Destiny, porém, ultimamente eles tem me provado o contrário. Apesar de odiar o resultado, no geral, foi uma match bem trabalhada. Bons tag moves e ambas as tags tem uma boa química entre si, então foi algo que se desenvolveu muito bem. O final foi horrível, porque além do ref bump e o final sem uma vitória limpa, o finisher combinado dos GoD foi botchado, o que praticamente apagou tudo de bom que se foi construído durante a match, gerando algo apenas bom.

Rating: ***

Singles Match: Michael Elgin vs. Cody

É, Big Mike, nem você conseguiu a proeza...

Eu sinceramente não esperava muito, afinal, é o Cody, mas no geral foi uma match bem trabalhada. Apesar da falta de heat e interesse da crowd no combate, eles trabalharam bem. Boa ação back & fourth, sem nada que comprometesse. Cody ainda está longe de ser um Main Event player e acho que uma performance mediana com um dos melhores workers da New Japan demonstrou isso mais uma vez.

Rating: ***

IWGP Junior Heavyweight Championship Match: Hiromu Takahashi (c) vs. KUSHIDA

Essa rivalidade está apenas no começo e já tem tem uma série de combates fantásticos onde cada um apresenta uma história diferente. Vamos lá.

Para quem não está familiarizado, esses dois tem uma história ''longa'' que se arrasta desde o Tokyo Dome e que provavelmente só está no começo, pois essa rivalidade é considerada a que vai ser a principal nos próximos na Junior Division.

KUSHIDA, que vinha em uma decrescente desde a sua derrota e perca de seu título em janeiro, e após sofrer uma derrota um tanto quanto embaraçosa para Hiromu no SAKURA GENESIS, conseguiu sua redenção no Best of the Super Juniors após vencer Will Ospreay. Como observamos na final do torneio, KUSHIDA mudou totalmente sua personalidade e aqui não foi diferente.

A história foi em torno de KUSHIDA mudar o seu estilo, que devido ao seu oponente ser uma ''pedra no sapato'', ele teria que ser mais agressivo e usar de algumas coisas que normalmente não usaria contra o oponente. Além do storytelling incrível, que foi desenvolvido a longo prazo e contou durante a match tudo o que se foi desenvolvido desde janeiro, a match foi um mix de psicologia e violência, com strikes e moves um tanto quanto violentos. Os spots foram bem dosados, a match foi física e intensa do começo ao fim, e o final foi um tanto quanto inesperado. KUSHIDA não utilizava o Hoverboard Lock para terminar suas lutas faz um bom tempo, além claro, houve um build para o seu novo finisher, o  Back to the future. Porém, eu gostei, pois o braço de Takahashi foi trabalhado praticamente a match toda e no final, KUSHIDA parecia que iria literalmente quebrar o braço de Takahashi.

Essa provavelmente foi a melhor match que ambos tiveram e um tanto quanto completa, mesclando todos os aspectos possíveis para fazer algo grandioso. Com certeza veremos essa rivalidade se estender pelos próximos anos, e promete ficar cada vez melhor.

Rating: ****¾

NEVER Openweight Championship - Lumberjack Death Match: Minoru Suzuki (c) vs. Hirooki Goto

Não há muito o que comentar aqui, foi o que era de se esperar. A estipulação apenas serviu para que as interferências da Suzuki-gun parecessem ''legais'' e no final, acabou por machucar o que poderia ter sido uma grande match e uma vitória limpara para Suzuki. Apesar de ter sido uma match bem física e com hard-hitting, no final, ficou apenas ofuscada pelas interferências repetitivas, porém, foi bem divertida de se assistir. Bom, mas poderia ter sido melhor.

Rating: ***½ 


IWGP Intercontinental Championship Match: Tetsuya Naito (c) vs. Hiroshi Tanahashi


Provavelmente a minha match preferida da série Tanahashi/Naito e em um senso geral, a melhor.

O começo foi ideal e fundamental no que se baseia a história entre ambos, onde vimos Tanahashi indo para cima de Naito muito antes da match começar, e é onde toca a essência dessa rivalidade. Tanahashi é um cara tradicionalista, ele acredita nos bons e velhos costumes, e já não aguenta mais o desrespeito de Naito pelo título que carrega, como se fosse uma forma de desrespeito não somente pelo título, mas também pela companhia e os wrestlers anteriores que o carregaram e defenderam. Apesar do domínio inicial, Tanahashi logo perdeu seu momentum, que foi cedido pelo seu braço lesionado. Naito é provavelmente o wrestlers mais versátil do planeta quando o assunto é se trabalhar em uma parte específica do corpo, seja em perna, braço ou pescoço, todas as vezes são trabalhadas com a mesma intensidade e qualidade e aqui não foi diferente. Após uma brecha, Tanahashi respondeu trabalhando na perna de Naito, que foi o foco de Tanahashi na match anterior, e ambos fizeram o selling desses trabalhos com maestria. 

Foi uma match bem estruturada do começo ao fim, com o arm e leg work, passando para alguns spots e depois para um dramático e eletrizante closing stretch, além claro, do trabalho de personagem, do sempre ignorante e tranquilo Naito que não respeita nada e ninguém, ao babyface Tanahashi, que teve que superar a lesão e provar que ainda é capaz de vencer um título importante após a derrota para Okada no Wrestle Kingdom 10. Apesar de muitos não terem gostado do final, eu gostei para como ambos apelaram para o realismo, onde após todo o trabalho feito no joelho, Naito finalmente se rendeu no Texas Cloverleaf. O único defeito de tudo isso, e foi um problema que eu tive com a match anterior, foi como eles começaram a trocar finishers antes do esperado, mas fora isso, foi uma match completa e algo totalmente compreensível, já que Tanahashi está com uma lesão no bíceps. 

Creio que esse não seja o fim para essa rivalidade, que já nos proporcionou duas das melhores matches do ano até o momento.

Rating: ****¾

IWGP Heavyweight Championship Match: Kazuchika Okada (c) vs. Kenny Omega

Quando você acha que é impossível superar o insuperável, eis que estão esses dois rapazes novamente...

Essa match pode ser um pouco complexa para quem não é um fã da New Japan ou não acompanha a empresa regularmente, pois é uma história contada a anos, não somente da rivalidade entre ambos, mas também do histórico reinado do Okada. Vamos lá.

Okada, que como muitos de vocês devem saber, tem um personagem auto-confiante e arrogante inúmeras das vezes, que ele vem perdendo essa personalidade aos poucos durante o seu reinado. Desde a sua match contra o Marufuji no G1 CLIMAX do ano passado, onde essa personalidade lhe custou uma vitória e uma bela de uma surra para o veterano. Então, após esse ''incidente'', Okada vem entrando mais centrado e menos confiante em algumas de suas matches, pois essa confiança quase já lhe custou seu título em diversas ocasiões contra o próprio Omega e contra Shibata. Omega, por outro lado, também passou pelo mesmo processo após a derrota para Ishii na New Japan Cup, então vemos os dois muito mais centrados durante a luta, sem esbanjar confiança e também com um pouco mais de humildade por saberem do que são capazes e onde conseguem levar um ao outro.

Além de todo esse processo de amadurecimento, essa match também ressalta o reinado de Okada e como cada match o fez crescer mais e mais como um campeão. Ele foi levado ao limite por adversários diferentes e de diferentes formas. Ou seja, ele passou por uma guerra de cada vez por esse título. Então, não veremos um Okada que se rende facilmente ou muito menos vai conseguir ser derrotado facilmente.

Desde o início vemos ambos bem centrados, sem ceder muito espaço um ao outro, que foi um bom build, com um pouco de counter wrestling com um pace bem elevado logo no início. Okada sentiu um pouco o joelho, o que abriu uma brecha para Omega imediatamente trabalhar. Foi bem agressivo e o selling por parte do Okada foi muito bom. Após trabalhar um pouco no joelho, Omega começa provocar Okada com um pouco de trash talk, o que abre mais um pouco sobre o storytelling dessa match. Após a provocação de Omega, Okada visivelmente fica irritado e puxa a história da match contra Suzuki no New Beggining em fevereiro, onde ele quase teve a perna arrancada por Suzuki, que é um dos melhores catch wrestles que já existiram, então não é isso que vai abater ou muito menos atrapalhar Okada, já que ele passou por uma situação que foi incrivelmente pior. Além claro, ele continuou com o selling por mais um tempo e depois ainda se importou de fazer o selling onde ele mostra que começou sentir firmeza no joelho para o resto da match. O que é um ponto positivíssimo na psicologia, pois detalhes como esse fazem uma total diferença sobre a match as vezes. Seguindo, vieram os callbacks da match anterior, como o spot da mesa e do dragon suplex, se referindo ao encontro anterior. Após uma série de boas transições e reversals, veio o Rainmaker, que vem sendo também uma das histórias do reinado de Okada, onde cada vez mais ele vem sofrendo para derrotar seus adversários chegando a aplicar 3 ou 4 vezes para bater os seus adversários. Logo depois de aplicar o primeiro Rainmaker, Okada tomou o controle da match pra si e começou a demolir Omega. Até que, Cody aparece e ameaça jogar a toalha, o que serviu para impedir que Okada aplicasse mais um Rainmaker e levasse a vitória, e também para Omega ganhar momento e descolar um belo nearfall. Mas também, não pela distração, toda esse comeback do Omega girou em torno de seu orgulho, onde ele deixou claro que queria derrotar Okada de forma limpa e sem nenhuma interferência, além, claro, do seu desejo de levar o título e cumprir sua promessa de ir para os E.U.A com o título máximo.

Outra vertente em questão de storytelling, foi a utilização do Katayoku No Tenshi. Omega, que teve seu ''ponto fraco'' descoberto pelos seus adversários após a match do Tokyo Dome, que foi impedir a utilização de seu finisher, que desde o ano passado vem sendo bookado como letal e apenas um é o suficiente para o fim. A verdade é que, Okada nunca escapou do KNT. Ele não esboçou reação e escapou por sorte e no último segundo, por puro pressentimento, apenas por um rope-break. E após isso, vimos um spot que pode ser considerado histórico, não somente pelo timing que foi perfeito, mas também pelo que ele acrescentou ao nível de drama da match, onde Omega escapou do Rainmaker final por puro cansaço. Os reversals para o aumento do drama e teasing de finishers, além claro, o selling da exaustão de ambos nos minutos finais foi impecável e fez um conjunto de obra perfeito.

Todos que assistiram essa match ao-vivo sabem o nível de drama que ela alcançou, onde cada segundo contava e te prendia mais a match. Provavelmente é o melhor empate de 60 minutos mais bem trabalhado e emocionante da história e que contou inúmeras histórias em uma única luta.

Foram 60 minutos de uma psicologia impecável, onde cada move e expressão corporal contava, contando inúmeras histórias não somente através dos personagens, mas também por algo que se construído a um bom tempo. Além do nível de drama e trabalho com o tempo, fazendo uma match intensa e com um nível físico elevado. São dois atletas incríveis e que merecem todos os méritos possíveis por nos proporcionar algo tão incrível e grandioso, onde nenhum dos dois perdeu com o resultado e saíram melhores do que já estavam, colocando-se em um patamar elevado em relação aos outros wrestlers do planeta.

Isso é o wrestling no seu melhor, então agradeça por estar presenciando história sendo feito por Kazuchika Okada e Kenny Omega. Uma das melhores e mais completas matches de todos os tempos, que me obriga ir além da ''perfeição'' que uma obra de arte consegue alcançar pela segunda vez.

Rating: *****+






Tem alguma dica de notícia ou correção? Envie-nos clicando aqui!