A redenção de Katsuyori Shibata

O homem conhecido somente como o "Wrestler", Katsuyori Shibata teve muito que provar para a New Japan Pro-Wrestling depois de seu retorno a companhia em 2012. Em 2005, ele e algumas outras pessoas deixaram a companhia quando ela estava em seus "tempos negros", e foi uma difícil caminhada para provar que ele merece estar ali novamente.

Cinco anos depois de seu retorno, Shibata deu seu melhor para reconquistar a confiança de seus amigos, fãs e outros lutadores da New Japan através de combates brutais e intensos. Isso foi um dos ingredientes para o confronto de Shibata e Okada no SAKURA GENESIS, em Abril deste ano, onde o vencedor da New Japan Cup de 2017 deu tudo de si para conquistar o IWGP Heavyweight Championship e saiu com uma grave lesão que deixou sua carreira ameaçada.

Shibata fez sua estreia pela New Japan em 1999, em uma battle royal de até então junior heavyweights como Togi Makabe, Dr. Wagner Jr. e outros grandes nomes. Katsuyori Shibata, junto á Hiroshi Tanahashi e Shinsuke Nakamura, foram escolhidos a dedo por Antonio Inoki como os "Novos Três Mosqueteiros" - fazendo referência aos "Três Mosqueteiros" do Puroresu: Shinya Hashimoto, Masahiro Chono e Keiji Mutoh, que foram os responsáveis por carregar a NJPW nos anos 1990.

Os três tinham a missão de carregar a empresa nas costas e levá-la para novos horizontes. Mas as coisas não estavam indo muito bem para a New Japan após o início do novo milênio, principalmente pelas decisões de booking erradas, má administração e baixo comparecimento de público nas arenas. Isso parecia que levaria a NJPW para a falência e ela foi escolhida como a pior empresa do ramo pelo Wrestling Observer Newsletter em 2004 e 2005, provando que não há favorecimento nenhum para japoneses na equipe de Dave Meltzer. Esse período ficou conhecido como os "Dark Days" da NJPW, e foi quando Shibata deixou a companhia.

Antes de começar uma fracassada carreira no MMA, Shibata competiu por diversas empresas de pro-wrestling no Japão como a NOAH, principal rival da NJPW na época, e a RikiPro de Riki Choshu. Shibata tem o cartel de 4-10-1 no MMA, deixando claro que seu lugar não é no mundo das artes marciais mistas.

Quando retornou a NJPW em 2012, Shibata ainda era tratado como um traidor que deixou a empresa nos tempos difíceis para voltar quando ela estava começando a se estabelecer novamente como a segunda maior empresa de luta-livre no mundo. Antes de participar ativamente de combates por título e receber grandes chances, Shibata teve que provar aos seus amigos e companheiros que lá estavam que ele merecia estar ali. E isso começou com Hirooki Goto, seu melhor amigo da vida real e colega de escola por anos.

Depois de uma série de combates em 2013, os dois se enfrentaram no WrestleKingdom 8, em 2014, e vimos Shibata sair derrotado. Mesmo assim, Goto e Shibata foram capazes de deixar suas diferenças de lado e reatar a amizade para formar um time, que venceria os títulos de duplas um ano mais tarde.

Com seu melhor amigo novamente do seu lado, Shibata virou suas atenções para Hiroshi Tanahashi. O "Ás" da NJPW até então e um dos, se não o principal, wrestlers que foram diretamente afetados pela saída do The Wrestler em 2005, fazendo com que Tanahashi se tornasse um "Top Draw" da empresa pela falta de nomes credíveis. Isso fez com que o sete vezes IWGP Heavyweight Champion tivesse que colocar seu corpo e sua carreira em risco para salvar a NJPW diversas vezes. Mesmo antes da saída de Shibata, os dois já se desentendiam na questão do que a luta-livre realmente é e qual é o objetivo?

Em seu livro "Como Hiroshi Tanahashi foi bem sucedido em reconstruir a New Japan Pro-Wrestling", o Ace fez duras críticas ao estilo de Shibata e mencionou que ainda estava furioso pela sua saída, em uma época onde a empresa precisava de sua ajuda. Após uma série de combates duros e emocionais, Shibata foi capaz de provar seu valor a Tanahashi e ganhou novamente seu respeito, se consolidando assim como um membro "moral" do plantel da empresa.

Depois de se aliar com Tanahashi novamente, Shibata começou a mostrar interesses em títulos como o Intercontinental e o NEVER Openweight. Conseguindo derrotar Tomohiro Ishii no WrestleKingdom 10, em Janeiro de 2016, pelo NEVER Title e assinando um contrato full-time com a companhia, Shibata começou a enfrentar os principais representantes da terceira geração da NJPW - formada por Manabu Nakanishi, Satoshi Kojima, Hiroyoshi Tenzan e Yuji Nagata.

Shibata começou a defender o seu título frente a esses veteranos e conseguiu vitórias frente a todos eles, menos Yuji Nagata - o "Ace" da companhia na época que Shibata a abandonou. Tudo bem, Shibata conseguiu recuperar seu cinturão um mês e meio depois, mas essa foi a oportunidade que ele precisava para se aliar aos veteranos. Após um G1 CLIMAX que teve a participação de Naomichi Marufuji, um dos principais nomes da Pro Wrestling NOAH, e Katsuhiko Nakajima, Shibata se sentiu na obrigação de defender a NJPW contra esses "invasores". Colocando seu corpo em risco e provando sua lealdade a New Japan, Shibata teve a New Japan Cup em seu caminho como uma forma de chegar ao seu principal objetivo: se tornar IWGP Heavyweight Champion.

Três anos antes, em 2014, Shibata tentou desafiar Kazuchika Okada pelo IWGP Heavyweight Champion mas recebeu um "não" como resposta e foi desafiado a vencer a New Japan Cup daquele ano para ter um combate pelo cinturão. Shibata não conseguiu vencer naquele ano e foi derrotado por Shelton "X" Benjamin na segunda fase, mas ele não desistiu. Em 2017, o Wrestler finalmente teve a chance de desafiar Okada após vencer o torneio e como em um filme dramático, Shibata não apenas foi incapaz de vencer o título mas como teve uma lesão em seu cérebro que quase custou sua carreira.

Apesar de seu retorno aos ringues ainda ser uma incógnita, Shibata está treinando e fazendo os mais duros tipos de tratamentos para voltar a competir e se tornar o homem que ele estava destinado a ser, cerca de 15 anos atrás.

Referências:

Luiz Guilherme Justt: Administrador do site e aficionado pelo pro-wrestling japonês. Sigam-me em @ImTheJustt, as vezes falo o que penso por lá.