Last 12 #11: O magnífico ano de Johnny Gargano

Olá a todos e sejam muito bem-vindos a mais uma edição deste espaço. Tivemos uma votação muito equilibrada na semana passada, mas o vencedor acabou mesmo por ser Johnny Gargano.

O fim da #DIY

Gargano, após o NXT TakeOver: Orlando, ainda fazia parte da dupla #DIY composta por ele e Tommaso Ciampa. Eles vinham de uma derrota no PPV frente aos Authors of Pain e The Revival, falhando assim na conquista do cinturão de duplas. No dia 10 de maio, os DIY enfrentaram e derrotam Tino Sabbateli e Riddick Moss. Com isso, William Regal marcou uma nova luta pelos cinturões no TakeOver Chicago, no dia 20 de maio, a qual seria um Ladder Match. Após um grande combate, os AoP conquistaram a vitória e permaneciam como campeões. Depois da luta, quando os DIY abandonavam a arena, Ciampa atacou o seu parceiro de forma a terminar com a dupla. Ciampa também acabaria por sofrer uma lesão em um dos seus joelhos. Como razão da separação, ele afirmou que carregava a DIY nas costas e que Gargano era favorecido por isso.

Johnny Gargano apenas voltaria a aparecer no dia 12 de julho, indo ao ringue para falar sobre o sucedido no PPV. Ele se mostrava incrédulo por ser traído por uma pessoa que tanto confiava, mas que não estava ali para lamentar o passado. Gargano queria estar no próximo TakeOver e provar que era capaz de fazer carreira a solo. No episódio do NXT de dia 2 de agosto, Gargano derrotou Raul Mendoza com um “Garga-No Escape”. Na semana seguinte, Andrade “Cien” Almas venceu No Way Jose e disse que, se Gargano queria um oponente, agora tem um. Almas conseguiu mesmo a vitória no TakeOver Brooklyn III com um “Hammerlock DDT” após Zelina Vega ter atirado uma camiseta dos DIY para o ringue.

No dia 6 setembro, Moss e Sabbateli disseram a Gargano que ele iria viver para sempre na sombra de alguém. Essas palavras fizeram com que uma Handicap Match acontecesse na semana seguinte, onde Gargano venceu após aplicar um “Slingshot Spear” em Sabbateli. Uma semana depois, Gargano enfrentaria novamente Sabbateli, desta vez em competição individual, e acabou vencendo com um “Garga-No Escape”. A 11 de outubro, Gargano e Almas voltariam a pisar o ringue, desta vez, quem vencesse iria enfrentar Drew McIntyre no TakeOver War Games pelo NXT Championship. “El Ídolo” acabou vencendo de novo com distração da Zelina.

A ascensão de Johnny Wrestling

Gargano chegaria a atingir o abismo depois de perder para Fabian Airchner e Pete Dunne. Gargano enfrentou e derrotou Kassius Ohno no dia 6 de dezembro e mostrou que seria capaz de voltar às vitórias. Isso possibilitou-o de estar em um combate para determinar o desafiante ao NXT Title, que pertencia a Andrade Almas.  Essa luta também seria composta por Aleister Black, Killain Dain e Lars Sullivan e, de forma surpreendente, Gargano conseguiu vencer. Isso mostraria que Gargano estava mais focado que nunca e que Johnny Wrestling havia voltado aos grandes palcos. Zelina não estava convencida e disse que Gargano apenas lutaria pelo cinturão porque fez o pin no homem mais fraco do combate. Mais tarde, seria Velveteen Dream a duvidar das capacidades dele, dizendo que faria melhor. Uma luta entre os dois ficou marcada e, quem vencesse seria o oponente de Almas em Philadelphia. Gargano conseguiu vencer Dream para manter o seu posto de candidato principal.

Johnny Gargano e Andrade “Cien” Almas fariam história em “Philly”. Numa das melhores matches que já vi, Almas se mantinha campeão após aplicar o seu característico “Hammerlock DDT”. A luta seria recebida de forma bastante bem pelos fãs e chegou mesmo a ser avaliada em 5 estrelas pelo famoso jornalista da modalidade, Dave Meltzer. Vale lembrar que, antes dela ocorrer, só existiam cinco outras 5-Stars realizadas na empresa e que a última tinha sido no Money in the Bank 2011 entre CM Punk e John Cena. Gargano foi totalmente eficaz na execução do seu papel de underdog, o que o fez ganhar ainda mais apoio do público. Quando Gargano abandonava a arena, foi atacado por Tommaso Ciampa, que lhe deu um golpe com uma das suas muletas.

No dia 7 de fevereiro, Gargano estava no ringue falando sobre ganhar o respeito dos fãs e conseguir provar que é capaz de lutar a solo. Ele acabaria por ser interrompido por Zelina Vega que insinuou que ele não ganhou nada. Gargano diz que, se Zelina quiser, ele vai embora, mas queria uma title shot. Ela aceita sob uma condição, caso Gargano perca, ele teria que abandonar o NXT para sempre. Duas semanas depois, eles voltaram a se enfrentar e, mais uma vez, seria uma grande luta. Após um ref bump, Ciampa apareceu e atacou Gargano, fazendo com que Almas se mantivesse campeão e Gargano abandonasse o NXT de uma vez por todas.

Toda a história envolvendo os antigos parceiros fez com que Ciampa fosse odiado por todo o público, inclusive ganhando a alcunha de “Bald Freaking Bastard”. Ele tentou ir ao ringue para falar por várias vezes, mas em todas elas iria embora sem proferir uma única palavra, pois os fãs não deixavam.  No dia 21 de março, Ciampa foi ao ringue com mais uma tentativa de falar, porém não conseguiu. Ele foi até à platéia para rasgar cartazes de Gargano, porém foi surpreendido pelo seu rival que apareceu no meio do público. Gargano ainda colocou as mãos em Ciampa, no entanto, seria expulso por seguranças. Uma luta ficou marcada para o TakeOver New Orleans e, visto que Gargano não tinha contrato, foi uma Unsanctioned Match e, caso Gargano vencesse, ele seria reintegrado no roster.

Dia 7 de abril, em Nova Orleans, data e local do seu derradeiro confronto. Um luta conduzida pela sede de vingança de Gargano e por um Ciampa totalmente odiado. Este último entrou sem theme, dando para ouvir vários cantos contra ele como “Ciampa sucks”, “Bald Freaking Bastard” ou “Fuck you Ciampa”. Cantos esses que se propagaram por toda a luta. Gargano tinha o público em suas mãos, quando aplicava um golpe, eles reagiam positivamente. Foi uma atmosfera intensa, uma das melhores que já vi, mas a performance dos lutadores não ficou atrás. Foram executados vários golpes capaz de finalizar qualquer luta, porém, dadas as circunstâncias e a determinação de cada um, sempre conseguiam resistir. Gargano aplicou um Powerbomb no chão exposto, fazendo a crowd gritar que Ciampa mereceu aquilo. Momentos que marcaram a rivalidade também foram lembrados como Ciampa tentar atacar o seu rival com uma muleta roubada a um fã. O “All Heart” conseguiu a vitória após aplicar um STF com a proteção do joelho pertencente a Ciampa. Esta é até agora a minha match preferida no ano, tendo superado Almas Vs Gargano. A in-ring psychology foi excelente, e ver Ciampa a atuar como um autêntico filho da put@ foi algo maravilhoso. Esta foi mais uma 5* atribuída por Dave Meltzer, algo que concordo a cem por cento.

Considerações finais

Johnny Wrestling é um wrestler tecnicamente dotado, um dos melhores de toda a empresa. Fazer dois 5* stars em dois combates seguidos é algo que poucos podem se gabar, especialmente dentro da WWE, pois nunca tinha acontecido. Acredito que ele subirá ao Main Roster ainda este ano, mas não sei se isso será bom para ele, pois a WWE costuma tomar péssimas decisões de booking nas subidas.

Assim termino mais uma edição do quadro, uma das que mais prazer me deu ao escrever. Estão livres para deixar os vossos votos nos comentários, como acontece em todas as semanas. Tenham um bom domingo e até à próxima.

Fábio Pontes: De portugal e responsável pela publicação de artigos/colunas do site House of Wrestling. - Facebook