HOW Star Ratings - WWE NXT TakeOver: Chicago II - House of Wrestling - Tudo sobre Pro Wrestling

HOW Star Ratings - WWE NXT TakeOver: Chicago II

Olá galerinha da House of Wrestling, aqui quem escreve para vocês é Josué Elias, colunista da HOW, trazendo mais um HOW Star Ratings, e dessa vez analisando e avaliando os combates que aconteceram no NXT TakeOver: Chicago II que ocorreu no último Sábado, dia 16 de Junho. Então, sem mais enrolações, vamos às análises:

NXT Tag Team Championship Match: Undisputed Era (Roderick Strong & Kyle O'Reilly) (c) (w) vs. Oney Lorcan & Danny Burch - 4.50


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 1.00
Match Psychology: 1.00
Timing: 1.00
Innovation: 1.00


Resultado: Oney Lorcan e Danny Burch por um momento me convenceu de que poderiam ser os novos campeões como uma ''grata surpresa'', pois a qualidade, o carisma e a atuação que mostraram no ringue foram gigantescos. Numa análise mais lúcida e coerente com a realidade, o melhor e mais sensato era a Undisputed Era manter o título, pois já estão consolidados como Stable e tem melhor capacidade para rivalizar com as outras Tags nessa divisão. Oney e Danny deram apenas o primeiro passo para uma possível consolidação.

Combate: Se existe um combate que todos não davam nada por ele, mas que queimou a língua de muita gente, foi esse. O combate não foi só uma baita de uma surpresa pela sua qualidade, como foi simplesmente espetacular. Só não foi perfeito pois houveram muitas sequências aleatórias onde não foram construídas ou apresentadas com um certo sentido. Mas a qualidade como elas foram executadas, em termos de impacto psicológico e emocional e em termos técnicos, foi exemplar. Kyle deu uma aula de Psicologia, Roderick deu uma aula de atuação, Oney e Danny o mesmo. A sintonia deles dentro de ringue era tamanha que eles pareciam perfeitamente programados para a Match, sem nenhum devaneio ou esquecimento do que fazer, evitando improvisações que poderiam acarretar num distanciamento do público em seu envolvimento emocional. Com um Storytelling focado em ser uma simples Spotfest com sequências de quedas e strikes explosivos misturada com uma chuva de submissões aliada a um Pacing muito acelerado, nos deu uma ótima apresentação de referência a dizer o que é Wrestling de verdade.

Single Match: Velveteen Dream vs. Ricochet (w) - 4.50


Storytelling: 1.00
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 1.00
Timing: 0.75
Innovation: 1.00


Resultado: Previsível, mesmo tendo uma rivalidade entre um recém chegado Indy-Guy contra um consolidado WWE-Guy formado e criado do zero na própria empresa. Parece que no NXT, a ''regra'' (com exceções) de valorizar o que vem de dentro é esquecida, tendendo a valorizar mais talentos que estão consolidados no cenário mundial. Havia uma grande torcida pro Velveteen, que apresentou um crescimento absurdo em Ring Skill no último ano e que tem certamente uma das melhores Gimmicks de todo o Roster da WWE. Ricochet é o típico personagem genérico, mas que quando entra no ringue mostra um diferencial enorme que contabiliza para o seu progresso no Pro Wrestling. Por isso a rivalidade em torno de ''quem é o melhor?'', apesar da ampla diferença entre as Ring Skill de ambos, com Ricochet sendo anos luz melhor, foi a melhor escolha. Ricochet já é trado no NXT como um dos melhores, e Velveteen se considera o melhor. Aparentemente, a equipe criativa do NXT acredita que Ricochet é melhor que Velveteen, pelo menos circunstancialmente, o que renderia uma ótima discussão.

Combate: O combate foi uma aposta errada que deu certo. Apostaram mais numa pegada emocional e física do que numa pegada técnica e envolvente. Ao contrário do combate de Tags anterior, o Pacing estava muito mais devagar e a carga de valorização para cada movimento foi maior. E essa aposta ao meu ver, não foi a melhor para explorar a qualidade de ambos, que é criar e apresentar sequências atrás de sequências num ritmo acelerado. Até por conta de ser apenas um combate de apresentação do arsenal do Ricochet, seria melhor apostar nisso. Mas mesmo apostando errado, Ricochet e Velveteen Dream fizeram uma apresentação ótima mesmo fora da zona de conforto deles, o que demonstra como ambos são ótimos no ringue. A carga psicológica para cada golpe foi  perfeitamente colocada em detrimento de uma movimentação maior, isso tudo por conta de ambos terem tido bastante qualidade na execução técnica dos golpes e da venda dos golpes, que foi ainda mais desempenha em função de um Storytelling perfeito, que reunia elementos tragos na rivalidade e que explorava mais o contexto emocional de ambos os personagens do que suas capacidades ''plásticas'' no ringue. Até por conta disso, a demonstração de fadiga constante do Ricochet veio cedo, no momento em que ele caiu com o pescoço na corda, iniciando uma transição do Wrestling técnico e movimentado para um Wrestling mais lento e com peso emocional, onde o bem-estar de Ricochet foi colocado como uma preocupação para a plateia, ainda mais depois dele sofrer um Suplex espetacular para fora do ringue. A ansiedade pro Ricochet dar uma revira-volta contra Velveteen foi adiada ao máximo, enquanto Velveteen se esbaldava nas suas Taunts e provocações, até que a resposta veio introduzindo um Clímax onde ambos copiam moves um do outro e que termina com um lindo 630º Senton de Ricochet para finalizar o combate.

NXT Women's Championship Match: Shayna Baszler (c) (w) vs. Nikki Cross - 2.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.25
Innovation: 0.50


Resultado: Era um momento bom para a Nikki Cross vencer o título? Era. A preparação da rivalidade era condizente para uma mudança de título? Não. Não prepararam a Nikki Cross o suficiente para isso, apesar de que já passou da hora dela ganhar desse título. Ou seja, apesar de ser um momento bom para ela ganhar, a preparação para isso não foi tão boa, por conta do booking que ela recebeu nos últimos meses. Uma derrota agora, pode ser uma forma de preparação para ela ganhar futuramente, pois seria um absurdo a Nikki não passar de uma adversária de transição da Baszler. Nikki tem a melhor Gimmick feminina hoje de toda a WWE (sim, isso mesmo que você leu), e merece grandes coisas, por todo o seu carisma e desempenho como personagem.

Combate: Aqui apostaram certo, mas não executaram tão bem assim. Uma aposta certa que deu errado. Sim, a dinâmica apresentada no embate entre as personagens foi perfeito. Era para ser aquilo mesmo. Porém o combate foi curto demais para se desenvolver algo interessante, além de que, a química entre ambas no quesito técnico de execução de golpes e apresentação de sequências não estava apurada. Apenas o embate entre personagens delas que foi interessante e não passou disso. O fato da Baszler ser durona mas sentir insegurança apenas contra a Nikki e o fato de suas adversárias nutrirem uma certa insegurança em relação a ela e a Nikki ser a única que não é afetada por isso foi demonstrada facilmente no Storytelling da partida, o que é mais um indicativo de que a Nikki é a pessoa certa para tirar esse título dela.

NXT Championship Match: Aleister Black (c) (w) vs. Lars Sullivan - 3.25


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.75
Timing: 0.75
Innovation: 0.50


Resultado: A opção de chocar o público não foi utilizada. Outra evidência de que a estratégia de booking do NXT é totalmente diferente do Main Roster. Lá eles tentam tanto chocar o público com decisões ruins para vencedores que além do ''choque'' ter se tornado clichê e constante, tem se tornado repulsivo. O ''choque'' só funciona quando é algo raro de se acontecer, e não quando acontece toda semana. Novamente o NXT dando aula em todos os sentidos. Poderia ser o momento de acontecer esse ''choque''? Poderia. O NXT exagera na ausência desse ''choque''? Sim, por uma questão natural de ser uma brand em que os Wrestlers não ficam ali para sempre não podendo enrolar demais para entregar o título aos melhores da brand. Entretanto, é muito melhor exagerar na ausência disso do que no ocorrimento disso. Aleister manter é a melhor opção e ainda bem que foi tomada.

Combate: Esse ganha o título de decepção da noite, não por ter sido o pior, mas por ter sido um combate em que a gente esperava alguma coisa, mas que essa coisa não aconteceu. O Aleister até conseguiu ter uma química com o Lars, mas não ''grandiosidades'' para o combate se destacar, isso porque ainda houve Spots interessantes, como o Power Slam do Lars no Apron do ringue. A questão é que, para essa química acontecer, nenhuma história definitiva foi construída e bem estruturada, Houveram alguns pontos chaves interessantes, como a venda da lesão na perna do Aleister e o trabalho de Lars na perna. Fora isso, não teve embate psicológico e o público se manteve mais distante nessa Match. No ringue, houveram alguns erros de execução técnica e movimentos sem propósito. O desfecho foi interessante, só que a preparação para ele foi arbitrária e desconexa. Não havia motivo para o combate terminar naquele momento, de forma um pouco precoce e com Aleister distribuindo seu chute na primeira oportunidade que teve, e de forma repetida sem resposta do Lars. O tempo foi curto para desenvolverem algo interessante em vista da diferença física entre ambos. Dentro das condições oferecidas, entregaram um combate decente.

Street Fight Match: Johnny Gargano vs. Tomasso Ciampa (w) - 5.00


Storytelling: 1.00
In-Ring Execution: 1.00
Match Psychology: 1.00
Timing: 1.00
Innovation: 1.00


Resultado: Um desfecho sensacional para uma rivalidade sensacional. Ainda que não esteja claro de que é realmente um desfecho, se fosse, seria sensacional. Se estão preparando algo mais sensacional ainda como desfecho então ''putz grila'', esse é realmente o ano do NXT. A vitória de Ciampa agora pode abrir um precedente para um novo combate em que o Johnny faça o ''2 a 1'' e desempate novamente, ou, o Ciampa pode rivalizar com outro superstar no momento. Talvez a melhor opção seja fazer o Ciampa vencer o Aleister no próximo PPV e fazer o terceiro combate deles pelo título. Se alguém tem uma ideia melhor me fale, pois ainda não vi. A verdade é que não tinha resultado correto para essa partida. O que tinha era diversas possibilidades a serem seguidas, seja para finalizar a rivalidade ou dar progressão a ela.

Combate: A primeira 5 Stars Match do NXT no HOW Star Ratings, o que certamente coloca essa Match na minha visão como a melhor Match da história do NXT, quiçá, da WWE (eu precisaria fazer uma pesquisa mais aprofundada para confirmar isso). Como na minha visão não houveram muitas Five Star Match da WWE, qualquer Five Star atual tem condições de competir como melhor combate da história da empresa.

Gargano e Ciampa eram amigos inseparáveis que se separaram. A história de separações entre amigos na WWE é recorrente, mas ainda assim, essa separação era especial entre as diversas que já teve. Havia um elemento de fidelidade que os colocavam como irmãos, numa conversão de amor para ódio que não foi simplesmente arbitrária, inflada por ego pessoal, mas por insegurança de Ciampa em relação a Gargano, com a vida pessoal consolidada e sendo aparentemente superior a ele na sua visão. A inconformação de ser o segundo da dupla era algo que só podia ser tirado a prova com o término dela. Mas como separar algo que é inseparável? Com isso, não restava alternativa para Ciampa, a não ser guardar esse sentimento em segredo até que não houvesse mais como segurar. Ele nutriu esse sentimento por muito tempo e o descarregou tudo de uma vez. Era essa descarga que havia em cada um de seus golpes para cima de Gargano. Uma descarga tão grande que a dor de trair um amigo era consoante com a dor de ser menor que o amigo. Gargano, sendo traído por quem menos esperava e sofrendo com toda essa descarga de ódio ainda enfrentava a contradição de devolver essa carga de ódio por alguém que ele amava. Foi preciso Ciampa mexer com algo que Gargano amava mais que ele, sua esposa, para que Gargano desencantasse de vez e devolvesse todo o ódio de Ciampa contra ele mesmo.

Nesse contexto, a expressão dos golpes, a violência e o ódio tomaram cor e invadiram esse belo quadro artístico que foi esse combate. Ambos se destruindo pensando em destruir o outro, com um Ciampa mais violento e revoltado, gerando ódio massivo de uma platéia aborrecida com tamanha crueldade. Com um ritmo desacelerado, mas com uma carga emocional muito grande a cada golpe, a dinâmica no combate era basicamente a tentativa de descarregar o máximo de ódio possível, onde Ciampa levava ligeira vantagem. Até que Ciampa pega o anel de casamento de Gargano, cospe nele e o joga pro esquecimento. Ali, Ciampa mexeu com algo que Gargano amava mais do que amava ele em seus tempos de ouro. Nessa narrativa, Gargano entrou em fúria e não conseguiu dosar na crueldade. O ódio era tanto que não importava a técnica do movimento. O que importava era machucar Ciampa de modo que ele sentisse todo o ódio de Gargano naquele momento. Numa história apresentada dentro de ringue, onde cada movimento teve um propósito, uma carga emocional relevante, uma execução técnica primorosa, uma plasticidade encantadora e uma ordenação perfeita dentro da estruturação, além de levar o público a um êxtase total, não podia ser avaliada como menos que perfeita. O ódio de Gargano o cegou de tal informa que ''inocentes'' seguranças e médicos sofreram pelo caminho, em que o desfecho resultou num aproveitamento oportunista de Ciampa para aplicar um DDT na madeira do ringue que apagou Gargano, dentro de uma proposta realista da situação, que culminou na vitória dele. Um dos poucos momentos em que o desfecho é perfeito mesmo sem terminar com um Finisher. Não bastasse isso, tudo ocorreu no momento certo do jeito certo. Pareceu até bruxaria de ambos para compor uma obra de arte sem a possibilidade de botar defeito.



Então galera, esse foi o HOW Star Ratings de hoje, espero que tenham gostado e deixem suas opiniões e avaliações aí nos comentários. Enquanto isso, vocês merecem uma explicação do porquê eu não estou avaliando combates de outras empresas no momento, mesmo eu prometendo para vocês diversas análises que eu ainda não entreguei. O problema é que como estou estudando muito, não estou tendo tempo de assistir algo além de WWE e NJPW. Só que no caso da NJPW, como são 9 combates por PPV e como eles duram muito mais tempo, é muito raro eu ter tempo para assisti-los tudo de uma vez. Então, eu assisto um de cada vez e fica muito tarde para eu entregar as análises. Resolvi por enquanto trazer apenas análises dos PPV's da WWE, e no mês que vem, fazer um artigo dos 10 melhores combates da NJPW na minha opinião desse primeiro semestre de 2018, até porque, é injusto eu trazer análises dos péssimos PPV's do Main Roster da WWE, e não trazer uma análise sobre Okada e Tanahashi e Okada e Omega IV.

Ou seja, se você está ansioso para saber o que eu achei dessas obras primas, espere que no mês que vem eu trarei essas análises e avaliações. Pros fãs de ROH, TNA, Lucha Underground, PWG, eu gostaria muito de ter tempo para avaliar. Quem sabe eu possa entregar um artigo no final do ano pros melhores combates do ano de cada uma dessas promoções, mas por enquanto, é inviável eu assistir todos os PPV's, ou até mesmo fazer uma análise semestral. A única empresa que eu continuarei trazendo análises de todos os PPV's sem falta, é a WWE, não por ser a melhor (longe disso), mas por ser a que mais gera interesse e engajamento (sim, sou um burguês opressor que pensa em lucros) de vocês. Num futuro próximo se eu tiver mais tempo, voltarei a analisar pelo menos os PPV's da NJPW. Mas por enquanto, a decisão é essa. Obrigado pela compreensão e até a próxima!
COMENTÁRIOS

Sobre / Contato / Publicidade / Disclaimer / Política de Privacidade / Press Release

online / Design por: Ericki Chites