Stephanie McMahon fala sobre a 'Women's Revolution' na Web Summit

Stephanie McMahon fala sobre a 'Women's Revolution' na Web Summit

Todos os anos, desde 2009, é realizada aquela que é considerada a maior conferência sobre tecnologia do mundo, a Web Summit, que estará fixa em Lisboa nos próximos dez anos. Em 2017, foi Triple H que esteve presente e falou abertamente sobre a posição em que a WWE está inserida no desporto, mas, este ano, foi a vez da sua mulher, Stephanie McMahon, marcar presença na Altice Arena para cerca de vinte mil pessoas. Um dos temas abordados foi a evolução feminina que se tem verificado ao longo dos últimos tempos.

Quando questionada acerca da evolução feminina e de como isso resultou no WWE Evolution:

Ela disse que tudo começou quando Triple H começou a treinar mulheres de igual para igual com os homens, algo a que o público aderiu, mas isso não chegava, pois elas continuavam a ter um papel secundário na empresa. Em fevereiro de 2015, uma luta de Tag Team entre as Bella Twins e Paige & Emma durou somente 30 segundos e isso criou uma certa revolta nos fãs que divulgaram #GiveDivasaChance por cerca de três dias. "Falaram tão alto que o presidente da WWE os ouviu", contou ela, e foi dessa forma que surgiu a Women's Revolution. A empresa deixou de se focar em contratar pela beleza e passaram a focar no talento em ringue.

A partir daí, várias foram as lutadoras a formarem-se no Performance Center , passando a ter tanto protagonismo quanto os homens tinham e deixando de se chamar 'Divas' para também se passarem a chamar de 'Superstars'. Essas mudanças fizeram com que uma das melhores atletas do mundo, Ronda Rousey, assinasse pela WWE. Stephanie valorizou ainda o facto das mulheres da empresa terem conseguido atuar em Abu Dhabi (no Dubai) pela primeira vez na história em que tanto homens como mulheres gritaram nas bancadas 'This is hope' (Isto é esperança). "É com base nisso que todo este movimento se baseia", foi com essas palavras que uma das proprietárias da WWE encerrou a sua resposta.

Sobre se ela pensa que tudo isso poderia ter acontecido uma década atrás:

Stephanie disse que não gosta de olhar para o passado e sim para o futuro e que gosta de olhar para o oportunidade que tem agora para o fazer. Ela diz que cada vez compreende melhor aquela expressão de 'alimentar a mudança que queres ver no mundo' e que o Evolution, o primeiro evento totalmente feminino da WWE, não só teve lotação esgotada como também foi a principal tendência mundial num horário com NFL e MLB. Quando perguntada sobre se quer fazer um novo evento feminino, ela respondeu de imediato com um 'absolutamente', mas deixou claro que não foi nenhum anúncio oficial.

Se a realização de um evento feminino é diferente da de um evento normal:

Ela respondeu que não muda na forma como a história é contada devido ao produto da WWE, mas que a oportunidade mudou. Foram feitas publicações pela primeira vez em portais femininos como Cosmos ou Refinery 39, e a empresa tem uma nova parceira, a CoverGirl que nunca tinha estado em contato com a WWE. Tudo isso está a abrir portas para a companhia e têm uma grande oportunidade para fazer a diferença, afinal é isso que importa.

Sobre se existem ainda barreiras à entrada das mulheres no esporte e se isso é justo relativamente aos homens:

Stephanie disse que ainda não é justo, mas que estão chegando lá e trabalhando para resolver essas diferenças. Existe uma maior oportunidade agora e a WWE tá provando isso ao contratar várias mulheres como Kavita Devi da Índia ou Kacy Kantazaro. Com o Performance Center na Flórida e outro centro de treinamento localizado no Reino Unido, a WWE quer replicar o modelo de treino para todo o mundo, mas que ao fazer isso, o número de pessoas interessadas sobe cada vez mais, é por isso que as levam ao limite, pois querem garantir que têm as qualidades necessárias.

Quando questionada sobre ter pessoas como Ronda Rousey interessadas em assinar um contrato ou se a WWE é que as contata:

Ronda Rousey é um caso diferente porque ela ama a WWE desde sempre. Ela tem o factor carisma, que é considerado por Stephanie como um dos aspetos mais importantes, e que se adaptou vinda do UFC de forma bastante rápida. Ela admitiu que a sua contratação resultou de uma conversa onde ambas as partes estavam interessadas. Tudo começou quando estavam falando com ela e Rousey disse 'E se'. Kurt Wagner a questionou se a WWE tem mais mulheres desse nível sob mira, ao que Stephanie respondeu que sim e que Serena Wiliams é uma das que ela e Triple H estão interessados.

A Chief Brand Officer da WWE respondeu a mais algumas questões, você pode conferir a entrevista completa aqui (aproximadamente nas 2h16m de vídeo).

Sobre / Contato / Publicidade / Disclaimer / Política de Privacidade / Press Release

online / Design por: Ericki Chites