HOW Star Ratings - WWE WrestleMania 35

Olá galerinha da House of Wrestling, aqui quem escreve para vocês é Josué Elias, colunista da HOW, trazendo mais um HOW Star Ratings, e dessa vez analisando e avaliando os combates que aconteceram no WWE WrestleMania 35 que ocorreu no último Domingo, dia 7 de Abril. Então, sem mais enrolações, vamos às análises:


WWE Universal Championship Match: Brock Lesnar (c) vs. Seth Rollins (w) - 1.00


Storyelling: 0.25
In-Ring Execution: 0.25
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.00
Innovation: 0.00


Resultado: A WrestleMania teve como combate de abertura Brock Lesnar e Seth Rollins. Pelo nível do combate, foi uma boa abertura. Mas esse combate tinha um peso muito maior. Colocá-lo no início é um desperdício. Sobre a vitória (meio inesperada) de Seth Rollins, não era o mais óbvio, mas com certeza era o melhor resultado. O único receio que tínhamos era se Brock iria continuar com o título, e graças ao bom Deus, isso não aconteceu. Não dá mais pro Brock continuar segurando o Universal. Quando pensávamos que tínhamos nos livrado dele no ano passado, com a leucemia de Roman, ele volta para testar a paciência do Universo WWE. Agora, com Seth segurando o título, podemos ter enfrentamentos interessantes. O principal seria o próprio Roman Reigns enfrentando Seth Rollins.

Combate: Um combate ridículo, mas que já esperávamos que ia ser assim. Com a importância que a WWE deu a essa rivalidade, não dando o Main Event da WrestleMania pro combate, já podíamos esperar que o principal motivo, é que o combate seria um fiasco. E realmente foi. Um punhado de Finishers do Seth foi o suficiente para vencer Brock, num combate que durou menos de 2 minutos.

Single Match: AJ Styles (w) vs. Randy Orton - 3.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 0.75
Timing: 0.75
Innovation: 0.50


Resultado: Admito que a minha preferência pelo vencedor do combate seria o AJ Styles. Randy Orton já deu o que tinha que dar para a WWE. Hoje, o melhor papel para ele é de escada pros talentos da nova geração. AJ não é bem de uma ''nova geração'', já que tem uma idade avançada, mas ainda pode ser considerado um nome novo da WWE que se consolidou rapidamente entre os grandes. Espero que o AJ receba mais oportunidades pelos títulos principais.

Combate: Foi um combate arrastado, sem emoção e brilho na atuação. Recentemente, AJ não tem tido grandes atuações e se limitou a fazer o seu 'normal'. Randy sempre foi preguiçoso dentro de ringue. Desse jeito, não vimos nada de muito diferente das duas partes. O ritmo foi muito lento em momentos que era preciso uma velocidade maior para manter o interesse do público. Em momentos chaves, que foram mal construídos, como a submissão na perna do Randy e o RKO, não tivemos a empolgação e expressão na aplicação necessária. Faltou energia nesses pontos e isso foi devidamente punido pela Crowd bastante sonolenta, que de vez em quando, se empolgou alguns movimentos do AJ, como o 450º Splash e a Cotovelada Fenomenal, e o Super Plex do Randy.

WWE SmackDown Tag Team Championship Fatal-4-Way Match: The Usos (Jey Uso & Jimmy Uso) (c) (w) vs. The Bar (Sheamus & Cesaro) vs. Shinsuke Nakamura & Rusev vs. Ricochet & Aleister Black - 3.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 1.00
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.50
Innovation: 0.75



Resultado: Sem grandes surpresas, The Usos reteve o título, o que acredito ser a decisão correta. Uma troca aqui, nessa situação seria desnecessária, até porque teríamos ainda muitas trocas de título a seguir.

Combate: Completamente ao contrário do último combate, essa Fatal 4 Way de Tags teve energia de sobra, com movimentos rápidos, um ritmo acelerado e golpes bem trabalhados. Infelizmente, teve um pouco menos de tempo, que seria necessário para contar uma narrativa linear. Sem esse tempo, a narrativa foi apressada e até mesmo a atuação psicológica dos personagens foi bem ausente. O combate acabou por se tornar um circo de movimentos aleatórios que não se integravam ou faziam sentido e muitos plots narrativos desestruturados e desorganizados nas sequências. O final também foi um pouco anti-climático, pois estava se encaminhando para algo interessante, que infelizmente acabou precocemente.

Falls Count Anywhere Match: Shane McMahon (w) vs. The Miz - 2.75


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.50
Innovation: 0.50



Resultado: Fazia mais sentido o The Miz vencer, mas eu gostei da vitória do Shane, pois ele costuma perder bastante. E o jeito que a vitória dele aconteceu foi genial, pois ela faz com que The Miz saia por cima, mas que por um pequeno azar, ele sai perdendo, enquanto Shane pode contabilizar uma vitória em PPV que tem faltado muito a ele desde que retornou à WWE.

Combate: Apesar do desfecho ter sido bom pro resultado, para a qualidade do combate, ele aconteceu no momento errado. Se quiséssemos ter algo grandioso, evidentemente que o combate teria que continuar, com muito mais plots, interações, movimentos e revira-voltas. Basicamente o Shane dominou no início, o pai do The Miz apareceu (participação interessante) e foi atacado, e daí em diante o The Miz dominou o resto do combate. Houve pouquíssimas revira-voltas. E as revira-voltas são extremamente importante para gerar um atrito estimulante ao público que está assistindo, pois gera imprevisibilidade e apreensão pelo desfecho. Essa apreensão não foi estimulada, pois o Shane pouco reagiu quando foi dominado. Ainda assim, o final foi bem interessante.

WWE Women's Tag Team Championship Match: Sasha Banks & Bailey (c) vs. The Iiconics (Billie Kay & Peyton Royce) (w) vs. Nia Jax & Tamina vs. Natalya & Beth Phoenix - 2.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.50
Innovation: 0.50



Resultado: The Iiconics venceu e não curti o resultado. Achei uma troca desnecessária e acho que dentre as quatro, a pior dupla possível para vencer era elas, perdendo por pouco para Nia e Tamina. Eu preferia que a Sasha e a Bayley continuassem com o título, pois elas são as melhores, de longe, no ringue dentre todas as que estão aí, e seria interessante vê-las defendendo o título de tags numa 2-on-2. Agora, com The Iiconics, sinceramente, espero que o reinado acabe o mais rápido possível. Entendo quem goste delas, mas acho as duas Wrestlers muito fracas e com personagens bem genéricos. Não vejo nelas capacidade de gerar empolgação com o reinado delas.

Combate: Foi um show de horror de tão fraco que foi esse combate. O principal problema é que boa parte das lutadoras que estavam no ringue estavam aplicando muito mal todos os golpes. Com exceção da Bayley, Sasha e Natalya, o resto tudo podia botar num saco e jogar no lixo. Aplicações de golpes horrorosas, sem expressividade, com uma movimentação sem naturalidade, dando pinta total do ensaio de sequências. Um dos principais meios para se atingir o público emocionalmente, é quando você atua nas sequências de movimentos de forma que não passa a entender que aquilo foi ensaiado. Isso é fundamental para a psicologia de qualquer combate, pois passa realismo, e realismo gera emoção. As sequências eram tão mal reproduzidas que parecia elas estavam de fato ensaiando para a luta. Dos poucos momentos interessantes que tiveram, foi quando essas três citadas apareciam para fazer algum movimento. A Beth Phoenix começou mal mas melhorou no final, quando aplicou seu finalizador da terceira corda. E só não foi pior porque as sequências de movimentos foi bem estruturada, pois a atuação e a aplicação foi de matar até zumbi que tomou um elixir da imortalidade.

WWE Championship Match: Daniel Bryan (c) vs. Kofi Kingston (w) - 4.25


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 1.00
Timing: 1.00
Innovation: 0.75



Resultado: Sim. KofiMania venceu e esse foi o resultado mais satisfatório da noite, por ter sido um fan-service que finalizou muito bem a ótima rivalidade que ambos tiveram. A WWE acertou em cheio em todos os quesitos e acredito que pelo fiasco que foi o Main Event (falo disso mais adiante), se a WrestleMania tivesse tido esse combate como Main Event, teria sido um encerramento muito melhor e mais condizente com o que é uma WrestleMania. O único erro de fato, foi ter deixado esse combate pro início do Main Show quando ainda teria diversos combates inúteis pela frente e com a luta pelo título principal do Raw ter sido na abertura.

Combate: O melhor combate da WrestleMania 35 foi Kofi contra Daniel. Não foi tudo perfeito, mas foi bom o suficiente para estar bem acima da média desse PPV, que novamente, foi muito fraco. Começamos com uma excelente etapa inicial, sem afobação, sem aceleração desnecessária, sentindo o público e construindo um background para as etapas seguintes. O interessante, é que numa WrestleMania em que a Crowd está meio morta, foi fundamental que eles deixassem o Kofi dominar o início, pois com o ritmo desacelerado, para não perder o público pro sono, o Kofi por cima deixaria o combate mais vivo, dando até mesmo esperanças de que aquela seria a noite dele. Depois, o Daniel Bryan, com algumas submissões e dropkicks ficou a frente por um breve momento, para gerar um atrito que faria Kofi reagir por necessidade. Kofi aplicou diversos movimentos interessantes em sequência e fugiu de todas as tentativas de finalizar o combate por parte do Daniel, mantendo a plateia acesa e acelerando o ritmo para apresentação de sequências mais rápidas e diretas.

O combate começou a ficar movimentado, e a sacada deles foi fazer com que Daniel quebrasse o ímpeto do Kofi com alguns requintes de crueldade, aplicando normalmente seus golpes mais vistosos. Não pouparam o Daniel simplesmente porque ele era Heel, algo que é costume do setor criativo impor nas lutas. Ao mesmo tempo, ele conseguiu canalizar o ódio do público e aumentar o ensejo de torcerem por uma virada do Kofi Kingston, que devolvia menos os golpes diretos. Dominado, a apreensão subia vagarosamente conforme o ritmo aumentava. Big E e Xavier foram fundamentais na interação com o público que se envolvia bem com os acontecimentos, conforme eles iam se aproximando de um desfecho. Não houve muita interação entre o Kofi e o Daniel, o que dificultou nessa altura do combate a abertura para uma tensão psicológica maior entre os personagens. O único momento que houve essa interação maior, acordou o público como divisor de águas para a etapa final.

Daniel começou a chutar sucessivamente o Kofi, que se levantava e tentava resistir na base da adrenalina cada golpe. Aquela demonstração de vigor e de vontade deu um clima novo pro combate, deixando de ser meramente técnico e se tornando uma guerra pela vitória. O público entendeu, e embora eles tenham demorado um pouco para atender essas expectativas, os principais movimentos começaram a aparecer. Daniel deu kickout do finisher de Kofi. Inteligentemente, o combate passou a ser do lado de fora, com Daniel deitado e Erick Rowan impedindo que Kofi pegasse o Daniel para tentar finalizá-lo. Isso deu a abertura para a participação do Big E e do Xavier, para tentarem atacar o Erick, e eles foram úteis apenas para apanhar e permitir com que o Kofi finalizasse com o Trouble in Paradise o Erick Rowan. Nesse momento, acredito que apesar de levar o combate para fora fosse a ideia correta, a execução daquela sequência foi mal feita e mal trabalhada. Poderiam ter tido um embate mais significativo e um pouco mais demorado, com mais movimentos espetaculosos, e com uma participação melhor do Big E e do Xavier, que apenas aplicaram seu Finisher. Talvez, quebrar o Erick em cima de uma mesa seria a melhor pedida. O importante, é que esse acontecimento do lado de fora permitiu uma revira-volta do Daniel dentro do ringue que fizesse sentido, com ele aplicando seu finalizador no Kofi, que deu um kickout que se sacramentou como o momento mais emocionante do combate. Dali em diante, bastou uma sequência, onde Kofi finalizou Daniel e fez o público ir ao delírio.

No geral, foi um combate onde o ritmo, o tempo em que aconteceu cada evento, a organização das sequências e a psicologia foram perfeitamente bem trabalhadas. Faltou uma tensão maior entre os personagens, que explorasse mais elementos do enredo da rivalidade, e por mais que os movimentos tenham sido bem aplicados, faltou uma elaboração maior em momentos chaves.

WWE United States Championship Match: Samoa Joe (c) (w) vs. Rey Mysterio - DUD




Resultado: Samoa Joe reteve o título americano, o que foi uma decisão correta. A forma como essa decisão foi executada é que foi ridícula. Rey Mysterio merece mais respeito do que perder dessa forma humilhante, para alguém que costuma perder bastante dessa forma humilhante. Samoa Joe e Rey Mysterio são dois Wrestlers que são muito mal utilizados no Main Roster. Rey tinha até voltado causando um barulho e parecendo que teria uma passagem melhor que a última. Basta essa WrestleMania para perceber que provavelmente, isso não vai acontecer. Uma pena.

Combate: O combate foi tão curto que eu nem lembro se eu assisti ou não.

Single Match: Drew McIntyre vs. Roman Reigns (w) - 1.75


Storytelling: 0.25
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.50
Innovation: 0.25



Resultado: O resultado era previsível. Uma vitória do Drew em cima do nome mais Over-push dos últimos anos era quase impossível, mesmo que ela fosse bastante interessante de acontecer, pois Drew pode ser um excelente nome para ser construído para enfrentar o Seth Rollins e até mesmo fazer grandes rivalidades com muitos outros Wrestlers. Uma vitória sobre o Roman Reigns nessa WrestleMania o consagraria como alguém maior do que ele jamais foi na carreira. A WWE não quis assim, e eu acho uma pena. Ao menos, o Roman Reigns, que é um bom Superstar, volta em grande estilo, com uma grande vitória.

Combate: Grande vitória de Roman em mais um péssimo combate. Roman não fez nada demais em relação ao que ele sempre faz, e por mais que Drew tentasse carregá-lo para uma boa luta, Roman não colaborou muito. Se eles estivessem numa sintonia maior, poderia ter saído algo interessante. Também não tivemos tanto tempo assim para eles apresentarem, mas a lentidão de Reigns colaborou bastante para que esse tempo não fosse tão bem utilizado. O ''cachorrão'' voltou mal.

No Holds Barred Match: Batista vs. Triple H (w) - 3.50


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 0.75
Timing: 1.00
Innovation: 0.50


Resultado: Qualquer resultado aqui era aceitável. Sinceramente, foi uma boa marcarem esse combate para a WreslteMania, para ser um ''carro-chefe'' de Marketing, já que seria um PPV sem Undertaker e John Cena lutando. Porém, pela idade dos dois, ninguém se empolgou tanto, pois eles são um tanto ''ultrapassados'' ao que o Pro Wrestling atual existe.

Combate: Não dá para dizer que eles não tentaram. Eles nos deram grandes momentos chaves, com grandes Spots. Em outras questões técnicas, foram péssimos. O ritmo foi muito lento. Pareciam duas velhas caquéticas lutando, sem velocidade, sem grandes movimentos para quebra de etapas e execução de apogeus. Não fosse os Spots muito bem aplicados, esse combate seria um fiasco total, bastante sonolento e cansativo. Apesar disso, a sensação do tempo na luta foi normal. Entendiante mesmo foram os próprios movimentos, e não como eles foram sequenciados na linha temporal. Tudo ocorreu como tinha que ocorrer, excedendo o fato de não ter muita emoção ou energia na aplicação, e nem sequer, o mínimo de elaboração, fora os momentos mais empolgantes.

Single Match: Kurt Angle vs. Baron Corbin (w) - 1.25


Storytelling: 0.25
In-Ring Execution: 0.25
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.25
Innovation: 0.25



Resultado: Muita gente não gostou, mas eu concordei. Essa WrestleMania já estava bastante ''fan-service''. Baron Corbin ganhar deixaria ela um pouco menos fan-service. E se colocarmos que Baron precisava mais dessa vitória que o Kurt, sabemos que a decisão foi acertada. Alguém pode questionar que Baron não teria cacife para vencer o grandioso Kurt Angle. Se fosse o Kurt do passado, eu concordaria plenamente. Mas o Kurt atual, semi aposentado, fora de forma e velho, sinceramente, é loucura dizer que Baron não teria cacife para vencê-lo. Só acho que era melhor que esse combate nem sequer tivesse acontecido. Ninguém ligava para ele e ele só serviu para tirar tempo de lutas mais importantes. A WWE anda pecando muito pelo excesso de combates nos PPV do Main Roster.

Combate: Mais um combate inútil cuja qualidade foi igualmente inútil. É um desprazer ter que avaliar um combate de tão baixo nível técnico. Kurt não tinha qualquer condições de entreter alguém do jeito que está, e Baron não tem condições de carregar ninguém numa luta. Com um tempo ridículo, essa foi única coisa acertada desse combate. Com um tempo menor, a gente pode ter o prazer de que essa inutilidade acabe mais rápida.

WWE Intercontinental Championship Match: Bobby Lashley (c) vs. 'The Demon' Finn Balor - 2.00


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.25
Innovation: 0.50



Resultado: O Demon ainda não perdeu em PPV's e a Streak continua. Resultado correto e que nos dá esperança de que essa Streak seja mantida ainda por muito tempo, para ser quebrada numa luta de maior importância, num palco igualmente de mesmo peso.

Combate: Apesar do pouquíssimo tempo, os dois foram muito bem nas suas atuações e entregaram algo primoroso. Foi muito pouco acontecimento para ser bem avaliado, e dentro do que podiam entregar, nas circunstâncias que foi dada a eles, conseguiram entregar algo empolgante, com movimentação muito rápida e alguns movimentos grandiosos. O Spear do Lashley foi sensasional e as sequências do Balor foram espetaculares. Com um final precoce, entretanto, tivemos algo que poderia ser grandioso sendo encerrado por conta de uma sequência escolhas estúpidas da empresa, em enfiar um monte de combate desnecessário em um evento de mais de 6 horas duração.

WWE Raw/SmackDown Womens Championship Triple Treath Match: Ronda Rousey (c) vs. Charlotte Flair (c) vs. Becky Lynch (w) - 3.00


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.75
Innovation: 0.50



Resultado: Becky Lynch levou os dois títulos. A forma como aconteceu eu vou abordar mais a frente. A escolha do que aconteceu foi a melhor. Fazer a Ronda vencer seria pior para o prosseguimento da carreira dela na empresa. Enxergariam ela como algo que a WWE quer forçar só pelo Marketing, o que seria nocivo, já que, pelo que ela vem apresentando dentro do ringue, ela merece ser aplaudida, e não vaiada. Já a Charlotte, o motivo é quase o mesmo. Só que aí não seria pela fama, e sim, pela qualidade dela e pelo nome ''Flair''. Ela ser vaiada não é grande problema. O problema mora no fato de que ela já ganhou muita coisa nos últimos anos e quebrou muitos recordes. Fazer ela ganhar agora seria uma forma de não ''repartir'' grandes feitos e quebra recordes que outras Wrestlers merecem tanto quanto ela. Avaliando o momento da Lynch, principalmente com o público, e a construção que ela recebeu nos últimos meses, ela era o nome ideal para segurar os dois títulos.

Sobre esse combate ser Main Event, pelo Marketing em cima dele, e pelo momento da Divisão Feminina na WWE, e a falta de grandes combates e rivalidades masculinas bem construídas para esse evento, foi plenamente merecido e ideal. Evidentemente que elas precisariam protagonizar um grande combate do nível de um Main Event de WrestleMania, algo que, pelo que as três vinham apresentando, era perfeitamente possível e até mais fácil de acontecer do que em muitos outros combates. O nível de empolgação do público para esse combate era gigantesco. O tamanho dele em grau de importância, colocando os dois títulos em disputa, era gigantesco. E a forma como toda a rivalidade entre as três foi construída, foi exemplar. Era a melhor, maior e mais importante rivalidade que tínhamos para essa WrestleMania. Faltava apenas isso se concretizar dentro do ringue. Infelizmente, não se concretizou como o esperado, pois a WWE tem a terrível mania de ter uma mina de ouro nas mãos e jogar tudo pelo ralo como se fosse nada.

Combate: Terrível. Para o nível de um Main Event, ou que teria que ser um Main Event de WrestleMania, já que nos acostumamos com pouco nos últimos anos, esse combate foi literalmente terrível em muitos aspectos. O primeiro de tudo, a Crowd foi apática, e novamente, não a culpo. Um PPV com 2 horas de Kick-off e mais 6 horas de duração, é natural que no final, todos estejam cansados. Soma-se a isso o fato de 80% dos combates que eles viram terem sido uma verdadeira bosta, com boa parte deles inúteis, que nem deveria ter acontecido e com o costume que foi criado no Main Roster ao longo de anos de os PPV's serem um desastre em termos de qualidade, é natural que ninguém se empolgasse tanto. Iria depender única e exclusivamente das três mulheres que iriam lutar, se elas iriam conseguir acordar a Crowd ou não. E pelo o que apresentaram, a Crowd fez muito bem em ter dormido o combate todo.

Como já disse, um dos fatores mais importante para um público se importar com um combate, é a aplicabilidade dos golpes. Quanto mais realista forem os movimentos e o impacto desses movimentos, mais chances da Crowd se importar com o que ela está vendo. Não sei o que houve com as três, mas elas estavam muito abaixo do seu nível habitual no quesito aplicabilidade dos movimentos. O impacto dos golpes estava muito aquém do desejado e houveram até mesmo alguns errinhos básicos, como se equilibrar corretamente para executar um movimento mais complexo. A Becky era de longe a pior dentro do ringue. Não acertou quase nada do que se propôs a fazer. E com não acertar, não quero dizer que ela cometeu inúmeros botches. Eu quero dizer que a aplicabilidade dela estava apenas muito longe do que ela mesmo costuma fazer em termos de realismo. A Charlotte, que foi a melhor em ringue, também não estava num bom dia, e foi atrapalhada muitas vezes pelas outras duas que erram diversas vezes na hora de vender os movimentos. Além disso, resolveram começar o combate pelo meio, com um ritmo muito acelerado, que geralmente nesse tipo de combate é algo bom, mas que na verdade, deu o efeito contrário. Com a aplicação horrível das três e alguns movimentos que não faziam tanto sentido, aquele ritmo acelerado deu uma sensação de que tudo estava desorganizado e que elas não sabiam o que fazer. Para piorar, muitos movimentos foram repetidos diversas vezes, sem ter nenhuma variação. Quando não se quer ter uma variação tão grande, é necessário adotar outra dinâmica. Se você faz um combate tão rápido, repetindo movimentos de maneira excessiva, as repetições não impactam tanto o público, principalmente se forem mal feitas.

Ronda aplicou quatro vezes a sua joelhada e derrubou as outras duas dez vezes puxando o braço delas. Charlotte havia acabado de aplicar um Spear duplo, e depois aplicou um Spear mal vendido pela Becky. Ela ainda foi tentar uma terceira vez o Spear que foi revertido numa movimento mal feito, já que ela não pulou alto o suficiente para quebrar ao meio a mesa que estava no córner. A Becky não parava de tentar aplicar o Finisher dela desde o início do combate, mesmo quando não fazia sentido, em muitos momentos, com as três lutadoras dentro do ringue. Porém, o combate ainda podia ter alguma salvação. Alguns movimentos saíram da maneira desejada e algumas sequências eram bem elaboradas. Quando finalmente parecia que as três iam engatar um desfecho emocionante, com diversas revira-voltas e recheado de Spots e movimentos espetaculosos, o combate acaba com um Roll-Up novamente mal aplicado, já que os ombros da Ronda se descolou duas vezes enquanto a contagem continuava. Um desastre. Era a pior coisa que podia acontecer, pois como o combate ainda não tinha tido tantos momentos grandiosos, terminá-lo ali seria bastante precoce. Tudo ocorria normalmente, se você ignorasse todos os erros que tinham tido até ali, até que, resolvem encerrar o Main Event de uma maneira quase que inexplicável. Pelo tamanho do combate, pela importância que foi dada, não é possível que alguém tenha planejado que o combate terminasse de uma forma tão broxante. Imagine vocês, Stone Cold contra The Rock na Attitude Era, terminando com um Roll-Up antes de todos aqueles finalizadores finais? Ia ser uma catástrofe. Não dá para acreditar que o primeiro Main Event feminino na WreslteMania termine dessa forma. É um absurdo sem precedentes.









Então galera, esse foi o HOW Star Ratings de hoje. Deixem suas opiniões e avaliações nos comentários, não deixem de interagir e de compartilhar essa análise com seus amigos. Nos vemos no próximo HOW Star Ratings!
Olá galerinha da House of Wrestling, aqui quem escreve para vocês é Josué Elias, colunista da HOW, trazendo mais um HOW Star Ratings, e dessa vez analisando e avaliando os combates que aconteceram no WWE WrestleMania 35 que ocorreu no último Domingo, dia 7 de Abril. Então, sem mais enrolações, vamos às análises:


WWE Universal Championship Match: Brock Lesnar (c) vs. Seth Rollins (w) - 1.00


Storyelling: 0.25
In-Ring Execution: 0.25
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.00
Innovation: 0.00


Resultado: A WrestleMania teve como combate de abertura Brock Lesnar e Seth Rollins. Pelo nível do combate, foi uma boa abertura. Mas esse combate tinha um peso muito maior. Colocá-lo no início é um desperdício. Sobre a vitória (meio inesperada) de Seth Rollins, não era o mais óbvio, mas com certeza era o melhor resultado. O único receio que tínhamos era se Brock iria continuar com o título, e graças ao bom Deus, isso não aconteceu. Não dá mais pro Brock continuar segurando o Universal. Quando pensávamos que tínhamos nos livrado dele no ano passado, com a leucemia de Roman, ele volta para testar a paciência do Universo WWE. Agora, com Seth segurando o título, podemos ter enfrentamentos interessantes. O principal seria o próprio Roman Reigns enfrentando Seth Rollins.

Combate: Um combate ridículo, mas que já esperávamos que ia ser assim. Com a importância que a WWE deu a essa rivalidade, não dando o Main Event da WrestleMania pro combate, já podíamos esperar que o principal motivo, é que o combate seria um fiasco. E realmente foi. Um punhado de Finishers do Seth foi o suficiente para vencer Brock, num combate que durou menos de 2 minutos.

Single Match: AJ Styles (w) vs. Randy Orton - 3.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 0.75
Timing: 0.75
Innovation: 0.50


Resultado: Admito que a minha preferência pelo vencedor do combate seria o AJ Styles. Randy Orton já deu o que tinha que dar para a WWE. Hoje, o melhor papel para ele é de escada pros talentos da nova geração. AJ não é bem de uma ''nova geração'', já que tem uma idade avançada, mas ainda pode ser considerado um nome novo da WWE que se consolidou rapidamente entre os grandes. Espero que o AJ receba mais oportunidades pelos títulos principais.

Combate: Foi um combate arrastado, sem emoção e brilho na atuação. Recentemente, AJ não tem tido grandes atuações e se limitou a fazer o seu 'normal'. Randy sempre foi preguiçoso dentro de ringue. Desse jeito, não vimos nada de muito diferente das duas partes. O ritmo foi muito lento em momentos que era preciso uma velocidade maior para manter o interesse do público. Em momentos chaves, que foram mal construídos, como a submissão na perna do Randy e o RKO, não tivemos a empolgação e expressão na aplicação necessária. Faltou energia nesses pontos e isso foi devidamente punido pela Crowd bastante sonolenta, que de vez em quando, se empolgou alguns movimentos do AJ, como o 450º Splash e a Cotovelada Fenomenal, e o Super Plex do Randy.

WWE SmackDown Tag Team Championship Fatal-4-Way Match: The Usos (Jey Uso & Jimmy Uso) (c) (w) vs. The Bar (Sheamus & Cesaro) vs. Shinsuke Nakamura & Rusev vs. Ricochet & Aleister Black - 3.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 1.00
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.50
Innovation: 0.75



Resultado: Sem grandes surpresas, The Usos reteve o título, o que acredito ser a decisão correta. Uma troca aqui, nessa situação seria desnecessária, até porque teríamos ainda muitas trocas de título a seguir.

Combate: Completamente ao contrário do último combate, essa Fatal 4 Way de Tags teve energia de sobra, com movimentos rápidos, um ritmo acelerado e golpes bem trabalhados. Infelizmente, teve um pouco menos de tempo, que seria necessário para contar uma narrativa linear. Sem esse tempo, a narrativa foi apressada e até mesmo a atuação psicológica dos personagens foi bem ausente. O combate acabou por se tornar um circo de movimentos aleatórios que não se integravam ou faziam sentido e muitos plots narrativos desestruturados e desorganizados nas sequências. O final também foi um pouco anti-climático, pois estava se encaminhando para algo interessante, que infelizmente acabou precocemente.

Falls Count Anywhere Match: Shane McMahon (w) vs. The Miz - 2.75


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.50
Innovation: 0.50



Resultado: Fazia mais sentido o The Miz vencer, mas eu gostei da vitória do Shane, pois ele costuma perder bastante. E o jeito que a vitória dele aconteceu foi genial, pois ela faz com que The Miz saia por cima, mas que por um pequeno azar, ele sai perdendo, enquanto Shane pode contabilizar uma vitória em PPV que tem faltado muito a ele desde que retornou à WWE.

Combate: Apesar do desfecho ter sido bom pro resultado, para a qualidade do combate, ele aconteceu no momento errado. Se quiséssemos ter algo grandioso, evidentemente que o combate teria que continuar, com muito mais plots, interações, movimentos e revira-voltas. Basicamente o Shane dominou no início, o pai do The Miz apareceu (participação interessante) e foi atacado, e daí em diante o The Miz dominou o resto do combate. Houve pouquíssimas revira-voltas. E as revira-voltas são extremamente importante para gerar um atrito estimulante ao público que está assistindo, pois gera imprevisibilidade e apreensão pelo desfecho. Essa apreensão não foi estimulada, pois o Shane pouco reagiu quando foi dominado. Ainda assim, o final foi bem interessante.

WWE Women's Tag Team Championship Match: Sasha Banks & Bailey (c) vs. The Iiconics (Billie Kay & Peyton Royce) (w) vs. Nia Jax & Tamina vs. Natalya & Beth Phoenix - 2.25


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.50
Innovation: 0.50



Resultado: The Iiconics venceu e não curti o resultado. Achei uma troca desnecessária e acho que dentre as quatro, a pior dupla possível para vencer era elas, perdendo por pouco para Nia e Tamina. Eu preferia que a Sasha e a Bayley continuassem com o título, pois elas são as melhores, de longe, no ringue dentre todas as que estão aí, e seria interessante vê-las defendendo o título de tags numa 2-on-2. Agora, com The Iiconics, sinceramente, espero que o reinado acabe o mais rápido possível. Entendo quem goste delas, mas acho as duas Wrestlers muito fracas e com personagens bem genéricos. Não vejo nelas capacidade de gerar empolgação com o reinado delas.

Combate: Foi um show de horror de tão fraco que foi esse combate. O principal problema é que boa parte das lutadoras que estavam no ringue estavam aplicando muito mal todos os golpes. Com exceção da Bayley, Sasha e Natalya, o resto tudo podia botar num saco e jogar no lixo. Aplicações de golpes horrorosas, sem expressividade, com uma movimentação sem naturalidade, dando pinta total do ensaio de sequências. Um dos principais meios para se atingir o público emocionalmente, é quando você atua nas sequências de movimentos de forma que não passa a entender que aquilo foi ensaiado. Isso é fundamental para a psicologia de qualquer combate, pois passa realismo, e realismo gera emoção. As sequências eram tão mal reproduzidas que parecia elas estavam de fato ensaiando para a luta. Dos poucos momentos interessantes que tiveram, foi quando essas três citadas apareciam para fazer algum movimento. A Beth Phoenix começou mal mas melhorou no final, quando aplicou seu finalizador da terceira corda. E só não foi pior porque as sequências de movimentos foi bem estruturada, pois a atuação e a aplicação foi de matar até zumbi que tomou um elixir da imortalidade.

WWE Championship Match: Daniel Bryan (c) vs. Kofi Kingston (w) - 4.25


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 1.00
Timing: 1.00
Innovation: 0.75



Resultado: Sim. KofiMania venceu e esse foi o resultado mais satisfatório da noite, por ter sido um fan-service que finalizou muito bem a ótima rivalidade que ambos tiveram. A WWE acertou em cheio em todos os quesitos e acredito que pelo fiasco que foi o Main Event (falo disso mais adiante), se a WrestleMania tivesse tido esse combate como Main Event, teria sido um encerramento muito melhor e mais condizente com o que é uma WrestleMania. O único erro de fato, foi ter deixado esse combate pro início do Main Show quando ainda teria diversos combates inúteis pela frente e com a luta pelo título principal do Raw ter sido na abertura.

Combate: O melhor combate da WrestleMania 35 foi Kofi contra Daniel. Não foi tudo perfeito, mas foi bom o suficiente para estar bem acima da média desse PPV, que novamente, foi muito fraco. Começamos com uma excelente etapa inicial, sem afobação, sem aceleração desnecessária, sentindo o público e construindo um background para as etapas seguintes. O interessante, é que numa WrestleMania em que a Crowd está meio morta, foi fundamental que eles deixassem o Kofi dominar o início, pois com o ritmo desacelerado, para não perder o público pro sono, o Kofi por cima deixaria o combate mais vivo, dando até mesmo esperanças de que aquela seria a noite dele. Depois, o Daniel Bryan, com algumas submissões e dropkicks ficou a frente por um breve momento, para gerar um atrito que faria Kofi reagir por necessidade. Kofi aplicou diversos movimentos interessantes em sequência e fugiu de todas as tentativas de finalizar o combate por parte do Daniel, mantendo a plateia acesa e acelerando o ritmo para apresentação de sequências mais rápidas e diretas.

O combate começou a ficar movimentado, e a sacada deles foi fazer com que Daniel quebrasse o ímpeto do Kofi com alguns requintes de crueldade, aplicando normalmente seus golpes mais vistosos. Não pouparam o Daniel simplesmente porque ele era Heel, algo que é costume do setor criativo impor nas lutas. Ao mesmo tempo, ele conseguiu canalizar o ódio do público e aumentar o ensejo de torcerem por uma virada do Kofi Kingston, que devolvia menos os golpes diretos. Dominado, a apreensão subia vagarosamente conforme o ritmo aumentava. Big E e Xavier foram fundamentais na interação com o público que se envolvia bem com os acontecimentos, conforme eles iam se aproximando de um desfecho. Não houve muita interação entre o Kofi e o Daniel, o que dificultou nessa altura do combate a abertura para uma tensão psicológica maior entre os personagens. O único momento que houve essa interação maior, acordou o público como divisor de águas para a etapa final.

Daniel começou a chutar sucessivamente o Kofi, que se levantava e tentava resistir na base da adrenalina cada golpe. Aquela demonstração de vigor e de vontade deu um clima novo pro combate, deixando de ser meramente técnico e se tornando uma guerra pela vitória. O público entendeu, e embora eles tenham demorado um pouco para atender essas expectativas, os principais movimentos começaram a aparecer. Daniel deu kickout do finisher de Kofi. Inteligentemente, o combate passou a ser do lado de fora, com Daniel deitado e Erick Rowan impedindo que Kofi pegasse o Daniel para tentar finalizá-lo. Isso deu a abertura para a participação do Big E e do Xavier, para tentarem atacar o Erick, e eles foram úteis apenas para apanhar e permitir com que o Kofi finalizasse com o Trouble in Paradise o Erick Rowan. Nesse momento, acredito que apesar de levar o combate para fora fosse a ideia correta, a execução daquela sequência foi mal feita e mal trabalhada. Poderiam ter tido um embate mais significativo e um pouco mais demorado, com mais movimentos espetaculosos, e com uma participação melhor do Big E e do Xavier, que apenas aplicaram seu Finisher. Talvez, quebrar o Erick em cima de uma mesa seria a melhor pedida. O importante, é que esse acontecimento do lado de fora permitiu uma revira-volta do Daniel dentro do ringue que fizesse sentido, com ele aplicando seu finalizador no Kofi, que deu um kickout que se sacramentou como o momento mais emocionante do combate. Dali em diante, bastou uma sequência, onde Kofi finalizou Daniel e fez o público ir ao delírio.

No geral, foi um combate onde o ritmo, o tempo em que aconteceu cada evento, a organização das sequências e a psicologia foram perfeitamente bem trabalhadas. Faltou uma tensão maior entre os personagens, que explorasse mais elementos do enredo da rivalidade, e por mais que os movimentos tenham sido bem aplicados, faltou uma elaboração maior em momentos chaves.

WWE United States Championship Match: Samoa Joe (c) (w) vs. Rey Mysterio - DUD




Resultado: Samoa Joe reteve o título americano, o que foi uma decisão correta. A forma como essa decisão foi executada é que foi ridícula. Rey Mysterio merece mais respeito do que perder dessa forma humilhante, para alguém que costuma perder bastante dessa forma humilhante. Samoa Joe e Rey Mysterio são dois Wrestlers que são muito mal utilizados no Main Roster. Rey tinha até voltado causando um barulho e parecendo que teria uma passagem melhor que a última. Basta essa WrestleMania para perceber que provavelmente, isso não vai acontecer. Uma pena.

Combate: O combate foi tão curto que eu nem lembro se eu assisti ou não.

Single Match: Drew McIntyre vs. Roman Reigns (w) - 1.75


Storytelling: 0.25
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.50
Innovation: 0.25



Resultado: O resultado era previsível. Uma vitória do Drew em cima do nome mais Over-push dos últimos anos era quase impossível, mesmo que ela fosse bastante interessante de acontecer, pois Drew pode ser um excelente nome para ser construído para enfrentar o Seth Rollins e até mesmo fazer grandes rivalidades com muitos outros Wrestlers. Uma vitória sobre o Roman Reigns nessa WrestleMania o consagraria como alguém maior do que ele jamais foi na carreira. A WWE não quis assim, e eu acho uma pena. Ao menos, o Roman Reigns, que é um bom Superstar, volta em grande estilo, com uma grande vitória.

Combate: Grande vitória de Roman em mais um péssimo combate. Roman não fez nada demais em relação ao que ele sempre faz, e por mais que Drew tentasse carregá-lo para uma boa luta, Roman não colaborou muito. Se eles estivessem numa sintonia maior, poderia ter saído algo interessante. Também não tivemos tanto tempo assim para eles apresentarem, mas a lentidão de Reigns colaborou bastante para que esse tempo não fosse tão bem utilizado. O ''cachorrão'' voltou mal.

No Holds Barred Match: Batista vs. Triple H (w) - 3.50


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.75
Match Psychology: 0.75
Timing: 1.00
Innovation: 0.50


Resultado: Qualquer resultado aqui era aceitável. Sinceramente, foi uma boa marcarem esse combate para a WreslteMania, para ser um ''carro-chefe'' de Marketing, já que seria um PPV sem Undertaker e John Cena lutando. Porém, pela idade dos dois, ninguém se empolgou tanto, pois eles são um tanto ''ultrapassados'' ao que o Pro Wrestling atual existe.

Combate: Não dá para dizer que eles não tentaram. Eles nos deram grandes momentos chaves, com grandes Spots. Em outras questões técnicas, foram péssimos. O ritmo foi muito lento. Pareciam duas velhas caquéticas lutando, sem velocidade, sem grandes movimentos para quebra de etapas e execução de apogeus. Não fosse os Spots muito bem aplicados, esse combate seria um fiasco total, bastante sonolento e cansativo. Apesar disso, a sensação do tempo na luta foi normal. Entendiante mesmo foram os próprios movimentos, e não como eles foram sequenciados na linha temporal. Tudo ocorreu como tinha que ocorrer, excedendo o fato de não ter muita emoção ou energia na aplicação, e nem sequer, o mínimo de elaboração, fora os momentos mais empolgantes.

Single Match: Kurt Angle vs. Baron Corbin (w) - 1.25


Storytelling: 0.25
In-Ring Execution: 0.25
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.25
Innovation: 0.25



Resultado: Muita gente não gostou, mas eu concordei. Essa WrestleMania já estava bastante ''fan-service''. Baron Corbin ganhar deixaria ela um pouco menos fan-service. E se colocarmos que Baron precisava mais dessa vitória que o Kurt, sabemos que a decisão foi acertada. Alguém pode questionar que Baron não teria cacife para vencer o grandioso Kurt Angle. Se fosse o Kurt do passado, eu concordaria plenamente. Mas o Kurt atual, semi aposentado, fora de forma e velho, sinceramente, é loucura dizer que Baron não teria cacife para vencê-lo. Só acho que era melhor que esse combate nem sequer tivesse acontecido. Ninguém ligava para ele e ele só serviu para tirar tempo de lutas mais importantes. A WWE anda pecando muito pelo excesso de combates nos PPV do Main Roster.

Combate: Mais um combate inútil cuja qualidade foi igualmente inútil. É um desprazer ter que avaliar um combate de tão baixo nível técnico. Kurt não tinha qualquer condições de entreter alguém do jeito que está, e Baron não tem condições de carregar ninguém numa luta. Com um tempo ridículo, essa foi única coisa acertada desse combate. Com um tempo menor, a gente pode ter o prazer de que essa inutilidade acabe mais rápida.

WWE Intercontinental Championship Match: Bobby Lashley (c) vs. 'The Demon' Finn Balor - 2.00


Storytelling: 0.50
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.25
Timing: 0.25
Innovation: 0.50



Resultado: O Demon ainda não perdeu em PPV's e a Streak continua. Resultado correto e que nos dá esperança de que essa Streak seja mantida ainda por muito tempo, para ser quebrada numa luta de maior importância, num palco igualmente de mesmo peso.

Combate: Apesar do pouquíssimo tempo, os dois foram muito bem nas suas atuações e entregaram algo primoroso. Foi muito pouco acontecimento para ser bem avaliado, e dentro do que podiam entregar, nas circunstâncias que foi dada a eles, conseguiram entregar algo empolgante, com movimentação muito rápida e alguns movimentos grandiosos. O Spear do Lashley foi sensasional e as sequências do Balor foram espetaculares. Com um final precoce, entretanto, tivemos algo que poderia ser grandioso sendo encerrado por conta de uma sequência escolhas estúpidas da empresa, em enfiar um monte de combate desnecessário em um evento de mais de 6 horas duração.

WWE Raw/SmackDown Womens Championship Triple Treath Match: Ronda Rousey (c) vs. Charlotte Flair (c) vs. Becky Lynch (w) - 3.00


Storytelling: 0.75
In-Ring Execution: 0.50
Match Psychology: 0.50
Timing: 0.75
Innovation: 0.50



Resultado: Becky Lynch levou os dois títulos. A forma como aconteceu eu vou abordar mais a frente. A escolha do que aconteceu foi a melhor. Fazer a Ronda vencer seria pior para o prosseguimento da carreira dela na empresa. Enxergariam ela como algo que a WWE quer forçar só pelo Marketing, o que seria nocivo, já que, pelo que ela vem apresentando dentro do ringue, ela merece ser aplaudida, e não vaiada. Já a Charlotte, o motivo é quase o mesmo. Só que aí não seria pela fama, e sim, pela qualidade dela e pelo nome ''Flair''. Ela ser vaiada não é grande problema. O problema mora no fato de que ela já ganhou muita coisa nos últimos anos e quebrou muitos recordes. Fazer ela ganhar agora seria uma forma de não ''repartir'' grandes feitos e quebra recordes que outras Wrestlers merecem tanto quanto ela. Avaliando o momento da Lynch, principalmente com o público, e a construção que ela recebeu nos últimos meses, ela era o nome ideal para segurar os dois títulos.

Sobre esse combate ser Main Event, pelo Marketing em cima dele, e pelo momento da Divisão Feminina na WWE, e a falta de grandes combates e rivalidades masculinas bem construídas para esse evento, foi plenamente merecido e ideal. Evidentemente que elas precisariam protagonizar um grande combate do nível de um Main Event de WrestleMania, algo que, pelo que as três vinham apresentando, era perfeitamente possível e até mais fácil de acontecer do que em muitos outros combates. O nível de empolgação do público para esse combate era gigantesco. O tamanho dele em grau de importância, colocando os dois títulos em disputa, era gigantesco. E a forma como toda a rivalidade entre as três foi construída, foi exemplar. Era a melhor, maior e mais importante rivalidade que tínhamos para essa WrestleMania. Faltava apenas isso se concretizar dentro do ringue. Infelizmente, não se concretizou como o esperado, pois a WWE tem a terrível mania de ter uma mina de ouro nas mãos e jogar tudo pelo ralo como se fosse nada.

Combate: Terrível. Para o nível de um Main Event, ou que teria que ser um Main Event de WrestleMania, já que nos acostumamos com pouco nos últimos anos, esse combate foi literalmente terrível em muitos aspectos. O primeiro de tudo, a Crowd foi apática, e novamente, não a culpo. Um PPV com 2 horas de Kick-off e mais 6 horas de duração, é natural que no final, todos estejam cansados. Soma-se a isso o fato de 80% dos combates que eles viram terem sido uma verdadeira bosta, com boa parte deles inúteis, que nem deveria ter acontecido e com o costume que foi criado no Main Roster ao longo de anos de os PPV's serem um desastre em termos de qualidade, é natural que ninguém se empolgasse tanto. Iria depender única e exclusivamente das três mulheres que iriam lutar, se elas iriam conseguir acordar a Crowd ou não. E pelo o que apresentaram, a Crowd fez muito bem em ter dormido o combate todo.

Como já disse, um dos fatores mais importante para um público se importar com um combate, é a aplicabilidade dos golpes. Quanto mais realista forem os movimentos e o impacto desses movimentos, mais chances da Crowd se importar com o que ela está vendo. Não sei o que houve com as três, mas elas estavam muito abaixo do seu nível habitual no quesito aplicabilidade dos movimentos. O impacto dos golpes estava muito aquém do desejado e houveram até mesmo alguns errinhos básicos, como se equilibrar corretamente para executar um movimento mais complexo. A Becky era de longe a pior dentro do ringue. Não acertou quase nada do que se propôs a fazer. E com não acertar, não quero dizer que ela cometeu inúmeros botches. Eu quero dizer que a aplicabilidade dela estava apenas muito longe do que ela mesmo costuma fazer em termos de realismo. A Charlotte, que foi a melhor em ringue, também não estava num bom dia, e foi atrapalhada muitas vezes pelas outras duas que erram diversas vezes na hora de vender os movimentos. Além disso, resolveram começar o combate pelo meio, com um ritmo muito acelerado, que geralmente nesse tipo de combate é algo bom, mas que na verdade, deu o efeito contrário. Com a aplicação horrível das três e alguns movimentos que não faziam tanto sentido, aquele ritmo acelerado deu uma sensação de que tudo estava desorganizado e que elas não sabiam o que fazer. Para piorar, muitos movimentos foram repetidos diversas vezes, sem ter nenhuma variação. Quando não se quer ter uma variação tão grande, é necessário adotar outra dinâmica. Se você faz um combate tão rápido, repetindo movimentos de maneira excessiva, as repetições não impactam tanto o público, principalmente se forem mal feitas.

Ronda aplicou quatro vezes a sua joelhada e derrubou as outras duas dez vezes puxando o braço delas. Charlotte havia acabado de aplicar um Spear duplo, e depois aplicou um Spear mal vendido pela Becky. Ela ainda foi tentar uma terceira vez o Spear que foi revertido numa movimento mal feito, já que ela não pulou alto o suficiente para quebrar ao meio a mesa que estava no córner. A Becky não parava de tentar aplicar o Finisher dela desde o início do combate, mesmo quando não fazia sentido, em muitos momentos, com as três lutadoras dentro do ringue. Porém, o combate ainda podia ter alguma salvação. Alguns movimentos saíram da maneira desejada e algumas sequências eram bem elaboradas. Quando finalmente parecia que as três iam engatar um desfecho emocionante, com diversas revira-voltas e recheado de Spots e movimentos espetaculosos, o combate acaba com um Roll-Up novamente mal aplicado, já que os ombros da Ronda se descolou duas vezes enquanto a contagem continuava. Um desastre. Era a pior coisa que podia acontecer, pois como o combate ainda não tinha tido tantos momentos grandiosos, terminá-lo ali seria bastante precoce. Tudo ocorria normalmente, se você ignorasse todos os erros que tinham tido até ali, até que, resolvem encerrar o Main Event de uma maneira quase que inexplicável. Pelo tamanho do combate, pela importância que foi dada, não é possível que alguém tenha planejado que o combate terminasse de uma forma tão broxante. Imagine vocês, Stone Cold contra The Rock na Attitude Era, terminando com um Roll-Up antes de todos aqueles finalizadores finais? Ia ser uma catástrofe. Não dá para acreditar que o primeiro Main Event feminino na WreslteMania termine dessa forma. É um absurdo sem precedentes.









Então galera, esse foi o HOW Star Ratings de hoje. Deixem suas opiniões e avaliações nos comentários, não deixem de interagir e de compartilhar essa análise com seus amigos. Nos vemos no próximo HOW Star Ratings!

Sobre / Contato / Anuncie/Advertise / Disclaimer / Política de Privacidade / Press Release

online / Design por: Ericki Chites